Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem-vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

29.09.19

Torres Vedras @ Lendas de Portugal - A Lenda da Cova da Moura (2 lendas diferentes)

Miluem

Foto: https://pedra-covadamoura.blogs.sapo.pt

 

 

 

A Lenda da Cova da Moura - I

 

Era uma vez uma moura que costumava dar pão a uma menina muito pobre.

 

Um dia a moura deu-lhe um cesto tapado com um pano e disse-lhe para não abrir até chegar a casa, mesmo que tivesse curiosidade.

 

Mas mesmo assim, a menina a meio do caminho para casa, tirou o pano e lá dentro estavam besouros que voaram.

 

Quando a menina chegou a casa estava dentro do cesto uma moeda de ouro.

 

Era um besouro que não tinha fugido e que se transformou numa moeda de ouro.

 

Se a menina não tivesse tido curiosidade teria mais moedas de ouro.

 

Fonte  Biblio:  MORGADO, Isabel Viagens ao Imaginário Torres Vedras,

Centro de Formação das Escolas de Torres Vedras, 1999 , p.40

Place of collection:  TORRES VEDRAS, LISBOA

Narrativa - When XX Century, 90s - Crença: Unsure / Uncommitted

 

 

 

A Lenda da Cova da Moura - II

 

A “cova da moira” existe na Rocha desde o princípio do mundo.

 

Antigamente, no tempo dos reis, os moiros tinham medo das lenhas porque pensavam que os lenhadores que levavam as lenhas eram soldados.

 

Por isso, escondiam-se numa cova ali perto.

 

Chamaram-lhe a “Cova da Moira”.

 

Depois, ao pé de uma fonte, uma empregada foi lavar a roupa.


E, uma moira que estava no carvalho alto disse-lhe:

 

- “Bolo de Borralho, bolo de borralho”.

 

A empregada deixou um bolo de borralho no sítio onde lavava no rio.

 

A moira, para lhe agradecer, pôs um gafanhoto dentro do pano que, passado uns tempos, se ia transformar em libras.

 

A empregada quando lá foi, assustou-se e sacudiu o pano. Foi para casa, mas houve um que não saiu e, no pano, havia uma libra.


A moira disse:
 - “Ai não queres? Arriba, arriba!”


Quando a empregada lá chegou, já não tinha nada.

 

 

Fonte Biblio: MORGADO, Isabel Viagens ao Imaginário Torres Vedras,

Centro de Formação das Escolas de Torres Vedras, 1999 , p.40

Place of collection: TORRES VEDRAS, LISBOA

Informante: Fernanda Canoa (F), 45 y.o.,

Narrativa  - When XX Century, 90s - Crença: Unsure / Uncommitted

 

Localização: http://arqueologia.patrimoniocultural.pt/index.php?sid=sitios&subsid=53691

 

3 comentários

Comentar post