Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

12.04.21

Poetas portugueses | Esperança de Miguel Torga

Miluem

migueltorgajovem.jpg

Esperança

 

Tantas formas revestes, e nenhuma

Me satisfaz!

Vens às vezes no amor, e quase te acredito.

Mas todo o amor é um grito

Desesperado

Que apenas ouve o eco...

Peco

Por absurdo humano:

Quero não sei que cálice profano

Cheio de um vinho herético e sagrado.   

 

Miguel Torga,

in 'Penas do Purgatório'

 

https://momentosdeleitura.blogs.sapo.pt

21.03.21

Exposição Virtual - 100 anos das Aparições de Fátima

Arquivo Nacional Torre do Tombo

Miluem
19.02.21

Poetas portugueses | Algumas proposições com pássaros e árvores de Ruy Belo

Miluem

 

 

 

Os pássaros nascem na ponta das árvores

As árvores que eu vejo em vez de fruto dão pássaros

Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores

Os pássaros começam onde as árvores acabam

Os pássaros fazem cantar as árvores

Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam movimentam-se

deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao reino animal

Como pássaros poisam as folhas na terra

quando o outono desce veladamente sobre os campos

Gostaria de dizer que os pássaros emanam das árvores

mas deixo essa forma de dizer ao romancista

é complicada e não se dá bem na poesia

não foi ainda isolada da filosofia

Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros

Quem é que lá os pendura nos ramos?

De quem é a mão a inúmera mão?

Eu passo e muda-se-me o coração

 

Ruy Belo

 

https://www.escritas.org/pt/t/3409/algumas-proposicoes-com-passaros-e-arvores

Foto: https://www.wilder.pt/naturalistas/as-aves-que-podemos-encontrar-num-passeio-em-sintra/

 

16.02.21

Vasco Santana - Exposição Virtual

Arquivo Nacional Torre do Tombo

Miluem

PT-TT-EPJS-SF-001-001-0015-1618D_derivada.jpg

 

Vasco António Rodrigues Sant’Ana

(Lisboa, Benfica, 28 de Janeiro de 1898

— Loures, Caneças, 13 de Junho de 1958),

mais conhecido como Vasco Santana,

foi um dos maiores actores portugueses.

O pai era Henrique Santana,

ensaiador e cenógrafo-maior do teatro em Portugal

e sua mãe Maria Filomena Rodrigues Sant’Ana.

Chega ao teatro em 1917 na peça “O Beijo”,

em exibição no teatro Avenida, em Lisboa.

No dia 13 de julho de 1958, Vasco Santana morreu.

 

http://antt.dglab.gov.pt/exposicoes-virtuais-2/vasco-santana/

 

12.02.21

Tratado de Paz de 1668 entre Portugal e Espanha

Restauração da Independência portuguesa a 1 de Dezembro de 1640 - Arquivo Nacional Torre do Tombo

Miluem

PT-TT-MSLIV-2542-00007_m0001.jpg

PT-TT-MSLIV-2542-00007_m0003.jpg

PT-TT-MSLIV-2542-00007_m0002.jpg

Na sequência da Restauração da Independência portuguesa a 1 de dezembro de 1640, após a dinastia filipina (1580-1640), é assinado em 1668 um Tratado de Paz entre Carlos II de Espanha, que assina em Madrid a 5 de janeiro, e D. Afonso VI, que ratifica a 13 de Fevereiro em Lisboa.

 

O acordo teve a mediação de Carlos II de Inglaterra, que ficava como garante da paz.

 

Nos seus 13 artigos, o tratado estabelecia uma paz perpétua, a cessação imediata das hostilidades nos reinos e senhorios de Espanha e Portugal. 

 

Devia haver “boa correspondência e amizade”, esquecendo os danos e ofensas passadas e podendo voltar a circular livremente as pessoas e as mercadorias. 

 

De ambas as partes devia-se restituir as presas feitas e a artilharia, deixando as praças e terras indevidamente ocupadas, com excepção de Ceuta, que ficaria em poder de Espanha. 

 

Os prisioneiros de guerra seriam trocado, sem qualquer excepção.

 

A Espanha reconheceu definitivamente a independência de Portugal e seus domínios coloniais.

 

http://antt.dglab.gov.pt/exposicoes-virtuais-2/tratado-de-paz-de-1668-entre-portugal-e-espanha/