Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes, gosto de os partilhar por imagens e ou palavras.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

28.03.20

Leiria @ Lendas de Portugal - Ana de Bragança

Miluem

 

centro-historico-de-leiria-11-1200x700.jpg

Imagem: https://www.visiteleiria.pt

 

Ana de Bragança


Era uma vez... já lá vão muitos lustros, um Senhor Infante, homem bem apessoado e insinuante, fez pousada em Leiria.

 

Vivia, então, na cidade, uma senhora que aparentava uns trinta anos, muito linda e elegante, chamada Ana Ricardina, natural da Praça de Almeida, lá para as bandas da raia, de ascendência espanhola, segundo uns, de raiz portuguesa, segundo outros.

 

O Senhor Infante viu a linda Ricardina e logo se apaixonou. Amaram-se muito e muito ternamente. E, passados tempos, a Ricardina começou a perder a elegância e a mostrar os sinais da maternidade.

 

Ia nascer um menino, o seu unigénito.

 

Mas o Senhor Infante já feito Rei abalou ... e abalou para longe.

 

E o menino nasceu, mas o pai jamais o viu.

 

Ele tinha olhado para baixo; ela tinha olhado demasiado para o alto.

 

Compreensivo e bom pai, não os abandonou.

 

E a mãe e o filho passaram a viver de uma pensão que um capitão lhe mandava entregar em nome do Senhor Rei.

 

Mas um dia o capitão morreu e a pensão ... morreu também.

 

A Ricardina que já era conhecida por Ana de Bragança começou a sentir dificuldades económicas, por falta da pensão. Mas ela era mulher forte e decidida, com sua grande vontade de viver, e, no desejo de amparar o seu menino, fez-se curandeira. Passou a curar a espinhela caída como então se chamava, popularmente, ao estado de fraqueza geral.

 

E assim foi vivendo de saudade do Senhor Rei, até que Deus a chamou a si, aos setenta e dois anos de idade, já lá vão muitos lustros, deixando o seu menino, já feito homem e com geração.

 

(in Anais do Município de Leiria, João Cabral)