Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem-vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

30.01.22

Manteigas, Guarda @ Lendas de Portugal - Lenda do Mondego, Alva e Zêzere

Miluem

Lenda do Mondego, Alva e Zêzere

 

O Mondego, o Alva e o Zêzere, nascidos da mesma mãe, três amigos viviam tranquilos e alegres, em irmandade.

Uma tarde, já quase de noite, envolveram-se em azeda conversa e lançaram desafios para romperem as prisões que os detinham e lançarem-se em corrida vertiginosa serra abaixo cujo objetivo seria o mar.

Ponte-sobre-o-Rio-Mondego-Caldas-da-Felgueira.jpg

Ponte sobre o Rio Mondego em Caldas da Felgueira (Nelas, Viseu)

 

O Mondego, astuto, forte e madrugador, levantou-se cedo e começou a correr devagar para não fazer barulho e levantar suspeitas, desde as vizinhanças da Guarda, por Celorico, Gouveia, Manteigas, Canas de Senhorim e dirigiu-se depois de ter robustecido com a ajuda dos colegas que vieram cumprimenta-lo à “Raiva” na direção de Coimbra depois de ter atravessado as Beiras.

Rio-Zezere-Belmonte.png

Rio Zêzere em Belmonte (C. Branco)

 

O Zêzere que também estava alerta, moveu-se ao mesmo tempo que o Mondego, foi em direção a Manteigas pelo vale abaixo, passou pelos terrenos da Guarda, correu para o Fundão, desnorteou obliquando para Pedrogão Grande, depois de ter cruzado três províncias e já cansado de caminhar 40 léguas abraçou-se ao Tejo em Constância para poder chegar ao mar.

800px-Rio_Alva_-_Sarzedo_-_Portugal_(29227850766).

Rio Alva em Serzedo (V.N. Gaia, Porto)

 

O Alva, dorminhoco e poeta, demorou-se contemplando as estrelas, mais do que era prudente, adormeceu confiando no seu génio.

Quando despertou estremunhado, em sobressalto, avistou os colegas a correr já quase a perder de vista.

O Alva atirou consigo de roldão pelos campos fora, rasgou furiosamente montanhas e rochedos, galgou despenhadeiros, bradou vingança temerosa, rugiu, e quando julgou que estava a dois passos do triunfo foi esbarrar no seu principal antagonista o Mondego que lá ia, há várias horas, pelos campos de Coimbra.

O Alva atirou-se ao adversário a ver se o lançava fora do seu leito, espumou de “raiva” mas o outro que deslizava sereno e forte riu-se e…engoliu-o de um trago.

Chama-se raiva a este local onde o Alva desagua no Mondego em memória à sua atitude.

 

Créditos:

Fonte: https://turismodocentro.pt/artigo/lendas-historias-e-milagres-dos-rios-no-centro-de-portugal/

Fotos:

https://www.cm-nelas.pt/alertas/camara-municipal-de-nelas-promove-inspecao-profunda-a-ponte-sobre-o-rio-mondego-nas-caldas-da-felgueira/

https://cm-belmonte.pt/conhecer-belmonte/o-que-fazer-em-belmonte/rotas-turisticas/pr1-percurso-da-aldeia-historica-de-belmonte/attachment/rio-zezere-belmonte/

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Rio_Alva_-_Sarzedo_-_Portugal_(29227850766).jpg