Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem-vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

22.08.21

Marinha Grande @ Lendas de Portugal - Lenda de Moher (Moer – Moel)

Miluem

P_20190629_153449_SRES.jpg

Lenda de Moher (Moer – Moel)

 

 

Desde a Aeminium dos romanos que Coimbra se tornou uma cidade dominadora da vastidão entre o Douro e o Tejo, desde os Hermínios ao Atlântico, por onde passaram diversos povos.

 

Essa predominância mais se acentuou após a destruição de Conimbriga, em 468, pelos suevos, e que, apesar de continuar habitada, foi entrando em progressiva decadência. acabando a sede episcopal por ser transferida para Aeminium, no século VI. Se bem que a tenham tentado restaurar, Conimbriga, sem se saber ao certo porquê, foi pouco a pouco abandonada e o seu nome transferido para Aeminium, ficando com esta alteração, a ser conhecida por Coimbra, numa pequena deformação de Conimbriga.

IMG_20190916_213840.jpg
Foi então, Coimbra progredindo, rapidamente; e convertida num centro nevrálgico para a manutenção da sua jurisdição, tornou-se uma cidade fortificada.

Mas não se pense que, mesmo assim, Coimbra se converteu numa cidade calma. Nada disso. Através dos tempos, como era a chave duma vasta região, foi sempre preponderante a sua posse: e assim, foi tomada alternadamente por islamitas e por cristãos.

 

Só quando o Conde Sesnando, o Conde Moçarabe, então convertido e ao serviço da cristandade, a tomou para o Rei Fernando Magno, em 9 de Julho de 1064, a cidade se manteve sempre dentro das suas fronteiras, as quais acabariam, mais tarde, por ser as do Condado Portucalense.


Por tal feito, a conquista de Coimbra aos infiéis, o Rei Fernando Magno, confiou a governação de Coimbra e da sua vasta região, ao Conde Sesnando que com esforço e sabedoria a valorizou, não só como praça forte mas, também, no aspecto religioso e cultural.

 

Tão bem foi fortificada e engrandecida que, com tamanho poderio, se levantou sempre ante a invasão das ordas de infiéis que, sedentos da sua opulência, não deixavam de tentar reconquistá-la.

 

Mas bem guardada, ora perdendo ora recuperando algumas das terras de sua jurisdição, pôde chegar cristã ao reinado de D. Afonso Henriques, o qual, desde o seu casamento com D. Mafalda, nela se albergou e a manteve como capital do então reino da Portugal.


D. Afonso Henriques, na impossibilidade de alargar as fronteiras pela Galiza, Astúrias e Leão, cuja cobiça lhe trouxe fracassos, incluindo o de Tuy, só um pouco amenizados pelo torneio de Arcos-de-Valdevez e pelo tratado de Zamora, sentia nas costas o azorrague muçulmano que, investindo com fúria em continuadas sortidas, animados pelos fracassos do jovem monarca, tentavam, a todo o custo, reaver os territórios cristãos do centro.

 

Em sequência, foram os muçulmanos tomando Soure e outras terras da cintura de Coimbra, desde o mar às Beiras.

Isso deu lugar a uma luta encarniçada e sem tréguas, de tomar e largar, até à batalha de Ourique, que, segundo novas versões e muito mais aceitáveis, se teria dado num local denominado Campo de Ourique, pertencente à freguesia das Cortes actual, na região da antiga Leirena, onde têm encontrado vestígios de armaduras e elmos, etc..


Libertada a cintura de Coimbra, foi D. Afonso repartindo e fortificando várias terras, desde Soure a Avô, onde nas margens do Alva, Egas Moniz teria mandado edificar um castelo que doou a seu neto, Pedro Afonso, a quem D. Afonso Henriques tinha dado em casamento sua filha D. Urraca.

 

Por tal motivo, Pedro Afonso deu o nome de Avô, à terra que seu avô lhe doara, em homenagem ao velho guerreiro.

IMG_20191202_194141_1575316268720.jpg

Nesse tempo de insegurança, D. Afonso, para dar continuidade à manutenção e à conquista dos territórios a sul, desde Soure a Leiria e até às proximidades de Santarém, dividiu o exército em diversas hostes entregando-as à chefia de fidalgos de sua inteira confiança.


Partindo geralmente de Soure, essas hostes do exército cristão, tinham a finalidade de manter o máximo território sobre controlo, até que D. Afonso achasse'o tempo propício para a tomada definitiva de Leiria e, depois, de Santarém para se lhe seguir a conquista de Lisboa, o que daria o domínio da bacia do Sado e lhe deixaria mais livre o caminho para o Al-Garb.

IMG_20190907_124834.jpg

Uma dessas regiões, entre a costa e o centro, no eixo de Coimbra, Soure, Leiria, estava sob o comando do neto de Egas Moniz, Mem Ramires, a quem chamavam, também, Mem Ramires de Gandarei ou Menendo.

 

Um dia, partiu de Soure para uma incursão em território muçulmano, a hoste comandada por Mem Ramires, chegando às terras de Leiria (antiga Lerena ou Leirena) entre esta vila e o mar, mais exactamente nas terras de Moher, que ficavam um pouco mais a Oeste.

 

Terras, a esse tempo, de moinhos de cereais e regadas por águas largas e profundas, vindas de vários quilómetros até ao mar, por onde as águas salgadas, nas marés altas, se infiltravam e se espalhavam, terra adentro, formando diversos núcleos de salinas.


Essas terras de Moher e toda a vasta região de Leiria a Santarém, estavam sob o domínio do temível ou terrível Abu-Zacaria, cujo poderio, partindo da praça forte de Santarém, levava a sua audácia, por vezes, para lá da cintura formada por Soure e Avô.


Mem Ramires, falava correctamente a língua arábica, pelo que D. Afonso Henriques o utilizava para parlamentar com o inimigo: assim, deu ordem a Mem Ramires para procurar saber a posição exacta do inimigo, e a partir daí, tentar um acordo de tréguas que lhe permitisse fazer os devidos preparativos, para um dia, aproximando-se de surpresa, mandar quebrar o acordo, e tomar, com a devida rapidez, a vila acastelada de Leiria.

IMG_20190907_124813.jpg
Mem Ramires sabia que o grande Abu-Zacaria devia de manter as avançadas hostes muçulmanas entre Moher e Leiria, pois além de manter Leiria no seu poderio, tinha, também, uma pequena fortificação na região da costa de Moher, onde um golfo servia de ancoradouro e protecção aos seus barcos; e por se tratar duma zona de boa água e de muito sol, a'pouca distancia de Leiria, era-lhe fácil vir desta vila ou mesmo de Santarém, por caminhos bem guardados, e permanecer ali, aos benefícios do sol e do mar nos meses de Verão.

IMG_20191202_194511_1575316154325.jpg

Como durante todo o dia não tivessem contactado o inimigo, Mem Ramires resolveu bivacar, pelo fim da tarde, junto ao rio, onde um maciço de árvores os resguardava e camuflava a posição.

 

Montou guardas. Depois, capitaneando um pequeno grupo, foi procurar saber, com as devidas cautelas, a posição das forças infiéis; precavendo-se, sempre, de alguma sortida ou de alguma cilada fatal.


O avanço desse reconhecimento foi feito sem qualquer anormalidade, no entanto, e sem terem a menor suspeita, já de regresso ao acampamento foram atacados por uma numerosa hoste de infiéis que lhe surgiram de todos os lados.


Perante a violência e a surpresa do ataque, Mem Ramires e os companheiros ficaram rodeados de inimigos.

P_20190824_195510_SRES.jpg

Bateram-se valorosamente até a noite cair. Quando a refrega terminou, só Mem Ramires se mantinha de pé.

 

À sua volta, jaziam, misturados, numa amalgama de corpos em gemidos de estertor, companheiros e inimigos.

 

Ainda um ou outro murmúrio mais débil, mas a noite fechava-se e ele, quase a desmaiar, sem forças e muito ferido, não pôde prestar a devida atenção.

 

Ao redor, corriam cavalos espavoridos, esperando os donos ali jacentes.


Cambaleando, Mem Ramires chamou o cavalo, que lhe obedeceu.

 

Montou dificilmente. Tomou as rédeas mas, dada a sua debilidade, deixou que o cavalo o levasse de acordo com o seu instinto.

 

Ainda se manteve muito tempo consciente, depois, de repente, tudo escureceu. Sem sentidos, caído sobre o pescoço do animal, acabou por escorregar e estatelar-se no solo.

IMG_20191202_194545_1575316186375.jpg

Aixa, princesa muçulmana, filha do alcaide de Chantireyn (Santarém), todos os dias dava com as aias, um passeio matinal pelas margens das águas de Moher, que nesse tempo possuía diversas manchas florestais, com predominância de pinheiros mansos, pinheiros naturais desta região, de tronco de fraca envergadura, de agulhas miúdas e de muito lento crescimento.

 

Quase todas as manhãs o pequeno grupo saía da zona do pequeno golfo, sob os olhares cautelosos e reprovativos dos guardas.


Em determinada altura da manhã e já de regresso à praia, uma das aias, que mais se infiltrou pelo pequeno maciço arborizado, encontrou o cavaleiro cristão, desmaiado.

 

Alertada pelo seu chamamento, a princesa Aixa aproximou-se. Verificando que o cavaleiro cristão ainda respirava, ordenou que o transportassem aos seus aposentos.

 

Contra a vontade de todos os que a rodeavam e que asseguravam a sua protecção, ela chamou o seu físico e ordenou-lhe que tratasse o cavaleiro cristão.


Mem Ramires estava muito ferido e lutou com a morte durante alguns dias. Quando Mem Ramires abriu os olhos, ficou estupefacto. Pouco a pouco foi reconhecendo que estava acomodado em aposentos árabes.


Quando a princesa Aixa entrou no quarto, Mem Ramires dormia. Mas pressentindo-a, abriu os olhos.

 

Com os olhos magoados, denotando as dificuldades físicas porque passara, percorreu, lentamente, aquela face levemente trigueira, aqueles olhos negros, negros, que queimavam e que, sem saber porquê, lhe tocavam o coração.

 

Como Mem Ramires era um bom conhecedor da língua arábica, depressa entre eles nasceu uma afinidade invulgar, atormentada e apaixonante que lhes fazia um grande temor: porque ele era cristão, um inimigo do povo dela e do seu Deus. E a princesa, sentindo o impossível, não deixava de chorar, quando estava a sós, a sua grande paixão.


Mem Ramires sentia-se bem naquela cama redonda, atafulhado de almofadas de variados tamanhos e em tal quantidade que se espalhavam pelo chão, sobre as peles brancas.

 

Aquele era, sem dúvida (pensava o cavaleiro cristão), o quarto da princesa, cedido, gentilmente, ao cristão convalescente, já que, pela luz forte que entrava por uma ogiva protegida de tules e vidros, se iluminava um precioso móvel encastoado de madrepérola, onde um espelho em oval, bizelado, reflectia vários objectos de embelezamento feminino.


Oscilando entre o sonho e a realidade, Mem Ramires foi-se prendendo àquela aparição de sonho, cujos olhos, negros como amoras silvestres maduras, quase sempre de véus de tule afastados, lhe enchiam a alma de luz e o peito de amor.

IMG_20191202_194451_1575316238371.jpg

Senhora duma figura esbelta, paradisíaca, ela acompanhava-o em pequenos passeios.

 

De princípio breves e lentos e sempre com a presença das aias: depois, mais longos, pela orla do mar, onde ficavam, sentados, doces momentos, sonhando, desejando o impossível, que fingiam não entender. Loucos de amor, iam-se deixando prender, cada vez mais, ante a preocupação das aias e a perplexidade dos responsáveis pela segurança da princesa.


Mas tudo o que é bom passa depressa: a beleza, a juventude, a Primavera, e muito mais a felicidade - tão fugaz senão inexistente... E, um dia... Esse dia terrível para a separação dum amor tão puro, tão devastador como invulgar, chegou.


Mem Ramires estava completamente restabelecido: feliz, ante aquele ser de sublime beleza; infeliz, porque se apartava daqueles olhos negros que se gravaram nos seus, que lhe fizeram nascer no peito um sentimento tão forte e tão estranho que arrasa qualquer mortal, porque mal nos afastamos, logo se transforma na mágoa duma saudade atroz.


Mem Ramires beijou louca e demoradamente aqueles lábios quentes, tomando nos seus possantes braços o corpo esbelto daquela linda princesa. Como rapidamente a tomou nos braços para a beijar' tão rapidamente a largou.

 

Sem mais a olhar, montou o adestrado cavalo, largando à desfilada. Levava o coração apertado. As lágrimas, lágrimas rebeldes, teimosamente escorrendo-lhe dos olhos.


Durante muito tempo, Mem Ramires não deu conta do que fazia. Saltava barrancos, atravessava dunas, furava matagal, torneava salinas. Só longe, muito longe da costa, conseguiu saber onde se encontrava. Então, tomou a direcção adequada e continuou a viagem. O coração batendo forte, nervoso, amargurado. A cabeça, confusa, escaldava.


Ao findar do dia, entrava em Soure. Soure era, nessa altura, governada pelos templários, possivelmente por Gualdim Pais, amigo e companheiro de armas de D. Afonso Henriques e amigo de Egas Moniz e de seus netos. Logo que o governador soube da chegada de Mem Ramires (quase por todos tido como desaparecido) teve uma imensa alegria, pois se ele era muito querido de D. Afonso Henriques, era, além do mais, um amigo e um valoroso guerreiro. Imediatamente o mandou chamar albergando-o num dos melhores aposentos do castelo, dispensando-lhe cuidados familiares.


Mem Ramires acabou de convalescer em Soure. Poucos dias após a sua chegada, estava forte, são de corpo mas continuava triste. Os olhos negros e lindos da princesa Aixa não deixavam de o mortificar: quanto mais longe estava do que desejava, mais queria estar perto do que estava longe.


Foi de Soure que, D. Afonso Henriques, estando em Coimbra, soube da boa nova, congratulando-se por Mem Ramires estar vivo e de boa saúde. Foi igualmente em Soure que, um dia, pela tardinha, chegaram os homens que restavam da hoste de Mem Ramires e que, ao sabê-lo vivo, exultaram de contentamento.


No entanto, foi em Soure que soube, pelos seus homens de armas, da tomada de Leiria.

IMG_20210215_220226.jpg

Estava-se no ano de 1144. Leiria fora tomada, mais uma vez, após várias vezes ser perdida.

Parte das hostes que tomaram Leiria, foram para Coimbra ao encontro de D. Afonso Henriques, que os esperava, ansioso pelo relatório sobre a investida pelos domínios muçulmanos.


Mem Ramires quis saber como tudo se tinha passado. Um fidalgo amigo, o que comandava os seus homens quando Mem Ramires não estava, pô-lo ao corrente da reconquista.

 

Depois, ele tinha dado ordens para se efectuar uma limpeza pela região. A intenção não era só dar uma limpeza, era, acima de tudo, verificar se encontravam alguma pista sobre o seu desaparecimento. Sabendo o sítio onde tinham bivacado, entraram nas imediações de Moher onde se tinha efectuado o combate.

 

Os corpos tinham sido devorados pelos vermes e pelas aves e feras. Das armas dos despojos, nenhumas identificavam Mem Ramires.

 

Então, desbarataram um vasto grupo de infiéis que, depois de terem perdido Leiria, se dirigiam para o Sul, possivelmente por Porto de Mós a caminho de Santarém.

 

Nesse grupo seguia uma princesa e as suas aias, que os infiéis tentaram proteger mesmo a custo da própria vida. Deveria ser uma princesa muito importante. Ela mesmo pegou em armas: e exausta e ferida ordenou a um muçulmano que a matasse. Depois, esse homem valente e muito bom guerreiro, lutou, rodeado dos nossos, até cair sem vida.

IMG_20190630_020417.jpg
Ao ouvir o amigo, Mem Ramires levantou-se dum salto. Meio trémulo, deixando transparecer na voz a sua emoção, perguntou-lhe:


- Então, e o pequeno forte de Moher, o que lhe sucedeu?


- O pequeno forte tinha sido abandonado à pressa. 'Quando a nossa hoste lá chegou, não havia ninguém.

IMG_20191202_194614_1575316216134.jpg

 

Como não levava gente suficiente para o guarnecer, o que, pensando bem, não nos serviria de nada, mandei incendiá-lo após ter sido destruído no mais que pudemos.


- Mas, não escapou ninguém? Não haveria mais nenhuma princesa que se pudesse ter salvo?


- Não! Não sei bem! Mas julgo que não!


Ao ver Mem Ramires tão pálido, o amigo perguntou-lhe:


- Mas porque é toda essa preocupação?


- Porquê? Porque enquanto vocês não lhe pouparam a vida... Ela, a princesa Aixa, salvou-me duma morte certa.

P_20190629_153143_SRES.jpg

Foi lá, nesse pequeno local fortificado, onde eu estive entre a vida e a morte... Foi aí que, graças ao seu cuidado e desvelo, me curei e convalesci... E daí, parti... um dia... com o coração destroçado pelo grande amor que aqueles doces olhos negros e aquela grandeza de alma fizeram nascer.


Mem Ramires de pé, chorava.


Num repente, saiu sem dizer mais nada. Procurou o cavalo e partiu de Soure.


Durante muitos dias foi procurado.

 

D. Afonso Henriques, como ele falava tão habilmente o arábico, queria incumbi-lo duma importante missão. Mas toda a procura era em vão. Ninguém o encontrava.


É claro que Mem Ramires se dirigiu à região de Moher, para, com os próprios olhos, verificar a destruição do forte e tentar encontrar o corpo da sua amada princesa.


É possível que Mem Ramires tenha encontrado o corpo da princesa.

 

É possível que, com ela nos braços, a tenha mantido, bem junto a si, por tempo indefinido, até que a sua loucura de amor lhe tenha permitido entender que aquilo que tinha nos braços nada mais era do que um destroçado corpo a apodrecer.


É possível que ele próprio a tenha sepultado, e que, ali, naquele ermo, nas costas daquela desoladora ruína, onde, pouco tempo atrás, tivera os dias mais felizes da sua vida, numa tão grande dor, no amargor terrível dum amor perdido, se tenha demorado, adorando o sítio: o túmulo onde repousavam os restos da sua princesa amada.

 

Naquele sítio, ele sepultava o coração.


Para Mem Ramires, aquele sofrimento era pior do que a morte.

 

Era um sentimento tão atroz que se lhe tomava impossível suportar mas, do qual, não podia nem se queria libertar. Era como uma mágoa que adoça: um sofrer que se ama; e se por vezes sentia que deveria sair dali, também o retinha uma saudade que lhe dizia que estando ali, menos sofria. Era um prazer feito de dor ou uma completa loucura de amor, amarga, cruel, mas, ao mesmo tempo, um resquício perfumado que lhe embriagava os sentidos e o fazia estar, sem dormir e sem comer, agarrado àquele túmulo, à certeza do que adorava mais do que a própria vida.


A solidão é um fardo suportado pela fé, pelo amor, pelo sonho.

 

É da solidão que se colhe toda a força espiritual que nos suporta, onde o sonho é mais sonho e o amor é mais amor: um amor para além da morte.

 

Em solidão o tempo passava e Mem Ramires, não vivia: pairava em visões, nas belezas mais inconcebíveis num estado normal, - mais entre o sonho do que na realidade, ele misturava-se na loucura da ilusão, numa exaltação duma vivida e falsa felicidade... e sorria: praia fora, bordejando as ondas, os dois amantes, entrelaçando as mãos, não andavam, moviam-se suspensos duma bruma de luz e tenuemente azul -. Mem Ramires, estático, de olhos fechados, sorria enlevado, como se sustentasse nos braços a formosa princesa de olhos negros.

 

De facto, Mem Ramires sorria enquanto estendia os braços e os puxava de encontro ao peito como se neles sustentasse o seu maior tesouro.


Um dia, levantou-se a custo. Conseguiu apanhar algumas ervas. Comeu-as. Deitou-se junto dum pinheiro manso, um pouco distante da sepultura. Adormeceu.


Dormiu um dia inteiro. Ao acordar sentiu-se mais forte.

Emerenhou-se no mato: matou um coelho à paulada. Fez fogo, assou o coelho e comeu-o com ervas. Adormeceu novamente.


Sonhava e acordava. Tinha momentos de delírio: de miragens. -mas vezes punha os olhos no céu e sorria.

 

Outras vezes, tremia, ernia, gemia e chorava. Quem o visse não o reconheceria: tão mudo estava; tão alquebrado de corpo e alma. Um louco. Um quase morto.


Mas por mais que se sofra existe o tempo e o tempo é um grande sábio: ajuda a minorar a dor: oferecendo os lenitivos possíveis para os terríveis momentos da nossa vida. Só quem passou por estes momentos os sabe compreender.

 

E quando o bom senso volta, pouco a pouco e sabiamente, sem se saber como, aprende-se a viver com a mágoa, porque uma lembrança benigna nos ameniza e adoça a alma, numa mistura de saudade e amor que nos manda bater o coração, na esperança duma outra vida aonde nos possamos encontrar segundo o nosso desejo.


Mem Ramires estava mais forte. Acordava; alimentava-se; apanhava flores, aquelas flores rosa-pálido, tão lindas que existem na costa da região de Moher, e oferecia-as à sua amada.

1613742752757.jpg

Um dia, entendeu que tinha chegado o momento de partir.

Era um cavaleiro cristão. Tinha jurado a Deus defender e aumentar a sua Pátria. A sua religião, a sua linhagem, o seu caracter, o seu dever, chamavam-no. E acabaram por demove-Io daquela letargia, se bem que aprendendo a guardar num talismã de saudade, aquela imagem tão íntima, tão verdadeira como a própria alma.


Passaram dois anos sem ele dar por isso.

E se alguns ainda o esperavam com uma secreta esperança, outros havia, que já não contavam com ele.

Mas D. Afonso Henriques ainda o esperava, sentindo uma secreta certeza de que ele apareceria.

Nunca se esquecia de mandar saber dele, pelas praças fortes mais perto de Coimbra.


Um dia, Mem Ramires, apareceu em Soure. Magro, quase irreconhecível. Foi em Soure que soube que o avô estava a morrer.

E aí vai ele sem descanso, para o Norte. Quando chegou, ainda encontrou Egas Moniz com vida.

 

No dia seguinte, depois de se ter despedido dele, o avô morreu.

O seu corpo foi a sepultar no Mosteiro de Paços de Sousa, de que era patrono, onde já se encontrava, desde 1137, seu filho Mendo.

O seu túmulo é celebre pelas esculturas: baixos relevos representando uma lenda épica, numa forma primitiva da canção "Renaud Montauban", provavelmente relacionado com a procedência de sua família.


Era o ano de 1146. O Rei, D. Afonso Henriques, chama-o para Coimbra. Não o quer perder de vista, pois tem para lhe entregar uma importante missão. Sabedor do que se passara com Mem Ramires, era mister mantê-lo por perto e prepará-lo para o que dele desejava. Daí em diante, ou no Paço ou em qualquer incursão a terras da moirama, jamais o dispensava. Queria-o sempre a seu lado.


Mem Ramires, de semblante entristecido, esforçava-se por se adaptar às exigências do Rei, embora a alma lhe pedisse a solidão, mas o Rei que ordenava e, contra isso nada podia nem queria fazer.

D. Afonso não gostava de o ver daquela maneira: nostálgico, sombrio, fugindo das companhias e das palavras. Assim que tinha uma oportunidade escondia-se nos cantos ou refugiava-se nos bancos dos jardins. Mas D. Afonso, adivinhando-lhe os problemas, deixava-o em boa companhia. E se o tratava como se seu filho fosse, escolhia-lhe as moças mais lindas e nobres da corte. Mas nem assim Mem Ramires despertava.


Pensando não haver outra saída, um dia chamou-o e pediu-lhe que se casasse: propondo-lhe uma donzela da mais alta linhagem. Mas Mem Ramires, com muita pena, recusou:


- Meu Senhor, muito me penaliza não poder atender o vosso pedido.

- Parou, visivelmente desolado

- Senhor, mandai-me comer, onde quiserdes, os infiéis!

A minha espada e a minha vida são vossas! Sabeis que, a uma ordem de V. Majestade, darei de mim to puder! Mas, Senhor, não mandareis que faça infeliz uma linda donzela que o não merece!

 

- Parou e olhando de frente o seu Rei, continuou, ajoelhando-se.

- Mandai-me para a morte, Senhor! Mas não ordeneis que venha arrastar uma donzela tão pura e inocente, na minha dor!


D. Afonso, estupefacto, esteve uns momentos sem falar. Depois, erguendo suavemente a mão direita, pousou-a na cabeça do cavaleiro, ordenando-lhe:


- Mem Ramires, levantai-vos!

Não gosto de ver humilhar-se cavaleiro! Levantai-vos e fazei o melhor que vos aprouver! Quanto disse e queria fazer, pensava eu que era para vosso bem. Se não o desejais... eu, respeito a vossa dor. Mas, peço-vos que aprendeis a reagir. Um cavaleiro, valoroso e de tão alta linhagem, não é para andar a morrer pelos cantos! Incomodais-me a mim e incomodais a corte! Pelo vosso bom nome vos peço; deveis uma explicação à donzela que, de tão bom grado, aceitou a minha combinação!

 

- Dizendo isto, El-Rei afastou-se, visivelmente contristado.


Foi doloroso, a Mem Ramires, o concertar-se com a donzela prometida, mas esta, amavelmente o desculpou, desobrigando-o de tal combinação. No entanto, frisou-lhe:


- Mem Ramires, sei que sois generoso e como gentil homem devis de ter em conta a minha e a vossa linhagem.

 

Não será demais exigir-vos que, quando pensardes em consorciar-vos, não o devereis fazer com outrem se eu não estiver casada.


Mem Ramires, rendeu-lhe as suas homenagens, comprometendo-se no que a donzela lhe pediu.


Mem Ramires, a custo, obteve autorização para percorrer as terras doadas por seu avô. Depois de alguns meses a percorrer as suas propriedades às margens do Douro, e de determinar os cuidados indispensáveis, regressou a Coimbra, conforme o determinado por D. Afonso.


Estava-se no ano de 1147 e chegara o momento de Mem Ramires se aprestar para a preciosa e perigosa missão. Em Fevereiro, dirigiu-se, sozinho para Chantireyn.


Mem Ramires, entrou em Chantireyn para parlamentar com Abu Zacaria, senhor daquela praça fortificada sob o jugo muçulmano.

 

Chantireyn era, nesse tempo, o baluarte da permanência arábica a Norte do Tejo. Era dali que saíam todas as investidas pelas terras cristãs.

 

Abu Zacaria era um extraordinário e valente alcaide, sabedor da inexpugnável fortaleza que representava Chantireyn. Por isso, e sabedor da grande paixão que Mem Ramires nutrira pela princesa Aixa, transformada agora numa permanente e dolorosa saudade, Abu Zacaria recebeu-o com afabilidade e respeito, oferecendo-lhe a melhor hospitalidade.


Uma das coisas que primeiro, Mem Ramires, falou a Abu Zacaria, foi sobre a princesa Aixa. Lamentou a sua morte, pedindo-lhe as maiores desculpas pela acção dos companheiros de armas, recriminando-os, por tão grande perda, que lhe destruiu o seu grande amor, transformando-lhe a existência numa dor terrível e insuportável.


Abu Zacaria ouvia-o, perscrutando-lhe no fundo dos olhos a sua sinceridade.

 

Quando Mem Ramires acabou de falar, Abu Zacaria continuou a olhá-lo em silêncio.

Por fim, como que sacudindo os pensamentos, disse-lhe, pausada e tristemente: que tivera conhecimento do seu grande amor pela princesa, pelos poucos homens que conseguiram escapar do morticínio de Moher e da batalha pela posse de Leiria que as forças de Ibn-Errik conseguiram recuperar.

1613754831955.jpg

E, quando dias mais tarde, enviou uma pequena força, com as devidas cautelas, ao local de Moher para procurar o corpo da princesa Aixa, esses homens presenciaram, a certa distância e recatadamente, o que se estava a passar, aguardando, com respeito, que Mem Ramires chegasse ao fim da sua loucura e depositasse dos seus braços, o corpo da princesa na terra que lhe serviu de túmulo.

Depois, aproveitando o cansaço e o adormecimento de Mem Ramires, esses homens, desenterraram o corpo da princesa, deixando a terra tal como Mem Ramires a tinha deixado, com uma cruz e algumas flores.

Envolveram o corpo numa manta adequada e, escondidos por serras e matos, trouxeram-na para Chantireyn, onde ela está agora sepultada.


Mem Ramires, ao ouvir da boca de Abu Zacaria o relato da transladação do corpo de Aixa para Chantireyn, ficou desgostoso, mas não o deixou transparecer; convinha-lhe, até, que Abu Zacaria pensasse que ele, Mem Ramires, tivesse ficado muito satisfeito, aprovando a sua determinação.


Mem Ramires, todos os dias, de manhã e ao entardecer, ia junto do túmulo da princesa Aixa fazer as suas orações.


Sabedor da devoção do cavaleiro cristão, Abu Zacaria, chegou a propor-lhe que ficasse com ele, e se o ajudasse a reconquistar Leiria, entregava-lhe o comando da praça de Chantireyn. Desta forma, ele poderia estar perto da sepultura da sua amada Aixa. Mem Ramires agradeceu e prometeu-lhe pensar na sua generosa oferta.


Com a liberdade que lhe foi dada ou ganha por inteira confiança, Mem Ramires pôde conhecer toda zona fortificada e, mentalmente, fixar os pontos possíveis e mais desguarnecidos, tidos, a priori, como inacessíveis para uma escalada pelo lado de fora.


Mas Mem Ramires não se sentia bem com a sua posição.

 

Havia ali um homem que acreditava nele e ele, Mem Ramires, um cavaleiro da mais alta linhagem, que viera como um amigo necessitado de conversar com alguém ligado à mulher que adorara, achava-se numa situação insustentável.

 

Achava-se um miserável em escrúpulos, zombando e traindo quem nele acreditara. Só uma coisa o retinha: o túmulo da sua amada princesa; mas quando dele se aproximava para as suas orações, parecia-lhe que do fundo da terra uma profunda recriminação o atingia.

 

E até o túmulo lhe passara a doer, numa mistura estranha e desconfortável de amor, saudade e traição.


Angustiado, foi com um certo sentido de libertação que, um dia, se dirigiu a Abu Zacaria dizendo-lhe que era urgente resolver o que faria dos bens doados por seu avô e que, o mais depressa que pudesse, lhe daria notícias sobre a sua generosa oferta.


No dia seguinte, de manhã, depois de ter ido ao túmulo de Aixa, despediu-se de Abu Zacaria, agradecendo-Ihe a estadia. Foi com um grande alívio de consciência que deixou para trás Chantireyn.


Mem Ramires chegou a Coimbra por volta do dia seis de Março. Na véspera, tinha nascido o primogénito do monarca. Logo que D. Afonso Henriques soube da sua chegada, chamou-o à sua presença; em privado. Foi um dia inteiro de conversação.


No dia seguinte, D. Afonso Henriques, convocou os seus homens, para a margem deserta do Mondego, para ter a certeza do que ficasse concertado, não chegasse a outros ouvidos.


No dia 10 de Março, a pequena hoste cristã, saía de Coimbra.

 

A marcha era lente e feita de madrugada, para que dela os mouros não tivessem conhecimento. Fora escolhido um trajecto desabitual e o mais oculto possível. Na primeira noite ficaram em Alfafar. Na segunda em Dornelas. Daí, de Dornelas, despachou, D. Afonso Henriques, Martim Moabe, com a incumbência de ir a Chantireyn quebrar as tréguas, tal como mandava a ética guerreira desse tempo.


Martin Moabe voltou de Chantireyn com a maior rapidez, vindo encontrar a hoste cristã, na quarta-feira, em Adbegas (Ourém).


Na quinta-feira, de madrugada, chegavam à serra de Albardos (Alvados), onde passaram a noite. Prosseguindo a viagem, pararam em Pernes. Aí, em Pemes, D. Afonso Henriques ordenou a escolha de 120 soldados e que se fabricassem dez escadas e que cada uma dessas escadas fosse dada a doze homens. Assim, com menos gente, a escalada seria mais fácil porque não haveria a atrapalhação de muitos homens a querer subir, nesse derradeiro momento.


Tudo feito e combinado, seguiram para Chantireyn, o mais depressa possível, pois a noite chegava e D. Afonso Henriques queria apanhar os muçulmanos desprevenidos, pela madrugada.


Chegados à Ribeira, os homens com as escadas subiram a íngreme ladeira, alapardados, para erguerem as escadas, às muralhas, sem serem pressentidos. Mas, ao içarem as escadas, a primeira resvalou e caiu com certo estrondo. Temendo o pior, todos ficaram estáticos esperando que as poucas sentinelas postadas nesse lado não os ouvissem.


Passados esses instantes de perigo e de aflição, içou-se uma nova escada, aquela em que seguia Mem Ramires. Mas ao chegar aos últimos degraus, Mem Ramires verificou que a escada não dava altura para chegar às ameias.

 

Rapidamente içou um moço alto, chamado Moqueime, sobre os seus ombros e este pôde atar a escada às ameias. Erguida a bandeira do Rei, imediatamente duas dezenas de homens, degolaram duas sentinelas e Mem Ramires quebrou a golpes de machado, os ferrolhos das portas. Portas escancaradas e D. Afonso entra de tropel com os demais cavaleiros.


Apanhados de surpresa, os mouros não ofereceram resistência, Aqui e ali, viam-se homens, donzelas, velhos e crianças, em roupa de dormir, correndo espavoridos em várias direcções, tentando de qualquer maneira fugir às espadas dos cristãos.


Em Santarém, D. Afonso Henriques foi cruel. Mandou que não fosse poupado quem quer que fosse.

 

Passadas duas horas, Chantireyn estava tomada. Enquanto, nas muralhas, a bandeira cristã se agitava ao vento, pelas ruas jazia uma enormidade de corpos e deles, o sangue escorria como se de fontes escorresse. Estava-se ao fim da madrugada de sábado. O dia 15 amanheceu na vitória dos cristãos.


Mem Ramires, fora o grande herói da tomada de Santarém. Mas Mem Ramires ficara desolado com o morticínio e a crueldade dos companheiros de armas. Depois da vitória, afastou-se, sozinho, e ajoelhando à sepultura de Aixa, chorou copiosamente a sua desdita, recriminando-se pelo que se tinha passado.


D. Afonso Henriques quis agraciar o herói: quando deram por ele, estranhamente o foram encontrar, rezando, ajoelhado, aos pés da sepultura. D. Afonso compreendeu e não o perturbou.


Depois da tomada de Santarém, pouco ou nada se sabe de Mem Ramires. Nem sequer se fala dele durante a tomada de Lisboa.


Após a tomada de Chantireyn (Santarém), Mem Ramires ficou com raiva dele próprio. Era um ilustre guerreiro, um cavaleiro justo e leal, e detestou a missão que lhe fora pedida. Fiel ao seu Rei, fiel à sua condição de nobre e de cristão, não se escusou, por mais que lhe tivesse custado, de fazer quanto estivesse nas suas possibilidades.

 

Sabia quanto valia. Fora igual a si próprio; valente como os seus antepassados; só pela sua audácia fora o primeiro a penetrar nas muralhas, a responder às sentinelas degolando a que se interpôs no seu caminho até às portas, para lhe quebrar os ferrolhos.

 

Ferrolhos quebrados e a tomada de Santarém foi consumada, com a maior rapidez e com o mínimo de baixas do lado cristão.

 

Todos tinham reconhecido o seu heroísmo. Mas agora, cumprida a sua missão, só lhe apetecia fugir... fugir de si mesmo se isso lhe fosse possível. Depois, montou a cavalo e saiu das muralhas. Encaminhou-se para a região de Moher. Um dia, na costa de Moher, enchendo-se de maior saudade e amargura: tomou uma resolução.


Recolhido nas distâncias das suas terras, terras que lhe foram doadas por seu avô, Egas Moniz, viveu a solidão pura do Alto Douro, nas cercanias de Cinfães, onde fundou uma pequena povoação com o seu nome, pois ainda hoje a povoação ostenta o nome de Mem Ramires, não muito longe da igreja Conventual de Santa Maria de Cárquere, que o seu avô, Egas Moniz, mandara erguer em memória do milagre concedido ao pequeno Príncipe, D. Afonso, que de pernas tolhidas recebeu a graça duma cura instantânea, ficando logo ali, completamente normal, passando a ser um escorreito, forte e formoso Príncipe de quatro anos de idade. Segundo consta, quando D. Henrique entregou o seu primeiro filho varão para Egas Moniz o educar, ele era enfezado e tolhido de pernas.

 

Uma noite, sonhou Egas Moniz: aparecera-lhe Nossa Senhora, que lhe ordenou que mandasse construir um altar, no sítio que lhe indicou, e que sobre o mesmo colocasse o príncipe doente. Mas, com a promessa de que, logo que o Príncipe estivesse bem, Egas Moniz ali mandasse edificar uma igreja de invocação a Santa Maria de Cárquere. Egas Moniz obedeceu e assim que o pequeno príncipe foi colocado no altar, se concedeu o milagre ficando o futuro Rei de Portugal, completamente curado.


É natural que Mem Ramires tivesse voltado a cavalgar pelas ribas e dunas de Moher.

 

Tudo é possível. Como possível é, segundo o meu avô paterno, ouvir-se, pelas noites de luar, o tropel dum cavalo, rápido como o vento, cavalgando pela beira-mar, levando no dorso um cavaleiro e a sua dama coberta de véus.

 

Como também se ouvira dizer que, em noites especiais, se viram, pelas margens de Moher, mouras encantadas que, mal a vista humana as alcançava, imediatamente se desfaziam.

 

Tudo é possível.

 

Será verdade?

Será mentira?

 

Será uma lenda que, como todas, ficará à espera que a desfaçam.

 

Mas, uma lenda transforma-se numa verdade quando nela se acredita.

 

Será o sonho uma lenda?

 

O sonho anda muito ligado ao amor: e o amor é a fonte das mais lindas histórias da humanidade.

 

Nós, portugueses, temos tantas para recordar, louvar, honrar e amar, mantendo nos tempos a essência duma realidade, feita de lendas, que sempre perfumou a nossa Terra.


É claro que me poderão acusar de fugir à realidade.

 

Talvez tenham razão!... Mas, quem sabe?... Teria mesmo fugido à realidade?... Não seria Mem Ramires o cavaleiro cristão que se teria apaixonado pela princesa moura!?...

 

Mas, então, quem seria? Quem melhor do que ele se entrosaria com a finalidade e com o conteúdo desta história... nesta lenda perpetuada ao sabor da realidade da palavra que passa de boca em boca?...


Se nasce uma lenda para se embelezar, o que fica pelo favor do tempo, num doce sentimento de dúvida que nos sabe bem, é algo que nos enleva e nos enriquece como povo, e que desta maneira se constitui como história na realidade da nossa nacionalidade.

 

Toda a nossa história tem ligações ao irreal, pois há factos que se nos escaparam dos compêndios e calhamaços, e somente nos foram legados pela memória do povo, humilde, anónimo, padecendo sempre de mais ou de menos um ponto.


É natural que dum povo de heróis e poetas, os guerreiros se transformem em imagens sublimes, enaltecidas ou deformadas pelas névoas do sonho ou da idolatria, o que nos dá a sua parte de ficção.

 

Mas isto, longe de nos diminuir antes nos enobrece, já que em tantas batalhas se misturam paladinos aos milagres - e temos tantos exemplos! - e às espadas fulgentes se enleiam a fé, as aventuras e os amores.


Somos donos dum País belo, maravilhoso, onde a rudeza das serras fez pastores corajosos, hábeis no manejo da espada, mas outros, muito mais na palavra de Deus porque a levaram, à custa da própria vida, através de gente inculta, gente que nunca tinha visto um homem branco: gente de florestas quase intransponíveis; gente de terras pobres sem possibilidades de existência.

 

Povo de heróis e santos, a tudo resistiu e fez: fez a epopeia constituída em história de lendas e realidades vivas, com um tal poder, como uma tal força, que uma auréola perfumada se nos colou iluminando para sempre a nossa Pátria.


Como porto, o golfo de S. Pedro de Moel (Moher) foi utilizado por diversos povos que escalaram ou permaneceram nas nossas costas.

 

Os celtas, os gregos, os fenícios, os cartagineses, os romanos e os árabes, utilizaram os nossos portos.

 

Uns como pontos de apoio. Outros como pontos de defesa e manutenção.

 

É natural que, desde há muitos séculos, tenha existido uma povoação, de maior ou menor importância, de acordo com as necessidades dos povos dominadores.

 

No tempo da dominação árabe, Moher era um golfo, praticamente sem praia, que servia de ancoradouro aos barcos que o demandavam.

 

Foi devido ao rio, antes de águas largas e profundas, e a algumas ribeiras, ainda hoje existentes mas débeis, que irrigando as terras lhes proporcionaram a colheita de cereais, e, em sequência, a existência de inúmeros moinhos para os moer.

 

E desta acção indispensável de moer (Moher), nasceu a designação da região de Moher.


Acreditamos que seria o rio Moher a sustentar e a manter o pequeno golfo de Moher, no qual deveria de penetrar pelo lado do Nascente.

 

Devido às dunas e a alguns terramotos, o curso do rio foi alterado e então, sem sustentação, o pequeno golfo foi pouco a pouco desaparecendo.

 

Eu, sustento que, sem a conjugação do rio, seria impossível a existência do pequeno golfo de Moher.

 

De minha casa, na Praia do Bom Sucesso (Praia dos Belgas), no lado Sul da Foz do Arelho, tenho constatado a luta, a grande dificuldade da Lagoa de Óbidos em se manter.

 

E não tenho dúvidas que sem o Arelho e os pequenos regatos a ajudá-la, já não haveria hoje uma das mais belas Lagoas do nosso País.

 

É esta uma das mais firmes sustentações para a eventualidade do rio Moher ter desaguado no pequeno golfo.

 

As outras, têm a concretização de alguns terramotos, pois se anterior a 1147 nada se sabe, depois de 1147 há conhecimento de 17 abalos intensos, para a alteração do seu curso, além da ajuda do movimento da terra solta das dunas que também podia ter tido muita influência para essa alteração.


Não há duvida, também, da existência de alicerces antigos sob o local onde se levantou, pelo avô do poeta, a casa que Afonso Lopes Vieira doou ao povo da Marinha Grande.

 

É claro que naquele local já existira, no século XV, uma casa que foi do Marquês de Vila Real.

 

E, se os árabes ali se estabeleceram e ancoraram os seus barcos, não haverá dúvidas de ali terem erguido uma pequena fortaleza de defesa e manutenção.


Portanto, esta lenda, com os seus pontos de sustentação, não deixa de ter a sua maior força na magia poética que a transportou de boca em boca, para ter chegado aos meus ouvidos em tempos de menino, e que a mantém na essência perfumada entre a dúvida florida e a realidade.

 


Nota:


Santarém foi fundado por Abidis XXIV, rei de Espanha, em tempos muito remotos, cerca de 1.100 anos antes de Cristo, com o nome de Esca-Abidis.

 

Mais tarde, Júlio César deu-lhe o nome de Proesidium-Jullium, concedendo-lhe o título de Colónia e convento jurídico, título que correspondia à 3ª Chancelaria da Lusitânia.

 

O nome de Esca-Abidis, que continuou resistindo, transformou-se em Scalabis-Castrum.

 

Só depois do século VII, por se ter encontrado, nas margens do Tejo, a imagem de Santa Iria dentro duma caixa, se passou a chamar de Santa Iria e, por corrupção, Santa Eyria: o que veio a dar, mais tarde, em Chantirein e depois em Santarém.

 

 

www.cm-mgrande.pt

Percurso interpretativo de Lendas da Marinha Grande

Nesta página apresentamos a versão completa de algumas das lendas mais conhecidas da história da Marinha Grande e das suas praias, integrantes do Percurso Interpretativo das Lendas, inaugurado no dia 27 de setembro de 2019, ao longo do percurso da ciclovia de São Pedro de Moel. Acompanhe-nos enquanto lhe mostramos os excertos completos dos livros de José Martins Saraiva, onde as lendas são descritas pormenorizadamente.

19.08.21

Óbidos @ Lendas de Portugal - Lenda dos Toupeiros

Miluem

Muralha-obidos.jpg

 

Toupeiros    

 

 

        Na Época Medieval, Óbidos era motivo de cobiça pela sua boa localização e riqueza, sofrendo, por isso, várias tentativas de conquista. Suportou cercos que duravam meses e os naturais de Óbidos nunca se renderam, o que muito espantava os sitiadores.

 

        Havia sempre fartura de alimentos dentro das muralhas. Até que certo dia se descobriu o verdadeiro motivo de tão grande resistência: os obidenses escavavam uma rede de túneis que passavam por baixo das muralhas e iam aos campos recolher as colheitas, havendo sempre abundância de cereais na povoação.

       

Então, como andavam debaixo da terra, os naturais de Óbidos começaram a ser conhecidos por “Toupeiros”.

 

 

In the Middle Age, Óbidos was seen as a good place for settlement due to its location and wealth. So it suffered many attacks from the enemies, who wanted to conquer this place. The village was able to support the sieges, which sometimes lasted few mouths. However the local inhabitants never surrendered themselves, fact that caused astonishment in the enemies.

        There was always abundance of food inside the walls. One day someone discovered the real motif of so surprising resistance: the “Obidenses” cut en huge number of tunnels in the floor, which passed under the walls.

        So people used to bring the crops from outside, having always plenty of cereals in the village.  As they could pass under the soil, the inhabitants of Óbidos started to be known as the “Toupeiros” (Moles).

 

 A l’ époque Medieval, Óbidos était très convoité pour sa belle localisation et sa richesse, raisons pour lesquelles Óbidos a souffert plusieurs tentatives de conquête et a supporté plusieurs sièges qui subsistérent des mois. Mais les natifs de Óbidos ne se sont jamais rendus, ce qui étonnait les assiègeants.

        Il y avait toujours une grande abondance d’aliments dans les murailles. Jusqu’au jour où on découvrit les raisons de telle résistence: les natifs excavaient un réseau de tunnels sous les murailles et allaient jusqu’aux champs pour cueillir les récoltes; il y avait toujours une grande  abondance de cereals dans le bourg.

        Cést donc pour cela que les natifs de Óbidos, qui marchaient  sous la terre, sont restés connus comme les « Toupeiros » (Taupes).

 

 

Fonte: https://papelariapapiro.blogs.sapo.pt/26940.html

Foto: https://www.regiaodeleiria.pt

 

15.08.21

Sabrosa @ Lendas de Portugal - A capela e a fonte da Senhora da Saúde

Miluem

766963.jpg

 

A capela e a fonte da Senhora da Saúde

 

Havia, outrora, na pequena povoação de Saudel, da freguesia de S. Lourenço e do Concelho de Sabrosa, um pobre lavrador, muito religioso e temente a Deus, que tinha uma filha bastante doente.


Apesar disso, mandava-a todos os dias apascentar as poucas ovelhas que tinha, num monte que ficava perto da povoação, onde havia uma fonte, erva abundante e muitos castanheiros.


A menina, habituada com os pais, rezava diariamente o terço, contando as ave-marias pelos dedos.

 

E, no tempo das castanhas, varejava os ouriços com a vara de pastora e abria-os com uma pedra, para lhes comer os frutos.

 

No resto do ano, comia alguma côdea de pão, quando calhava, porque em sua casa nem sempre havia esse manjar.

 

Um dia, depois da sua oração habitual, apareceu-lhe Nossa Senhora que lhe disse:


 - Eu sou a Senhora da Saúde e venho fazer-te um pedido:

Diz ao teu pai que Me construa uma capela grande, neste lugar, e ponha nela a minha imagem.


 A menina respondeu:
 - Mas o meu pai não tem dinheiro para a fazer.

Às vezes, até o pão falta em nossa casa.


A Senhora respondeu:
 - Diz-lhe também que, se ele aceitar o meu pedido, não faltará dinheiro para as obras nem pão para vós.


A pequena foi para casa e contou ao pai tudo o que a Senhora lhe tinha dito.


O pai acreditou nas palavras da filha e, confiante nas promessas de Nossa Senhora de quem era muito devoto, deitou imediatamente mãos à obra.


Contratou pedreiros para cortar a pedra, carreiros para a transportar e canteiros para a trabalhar e assentar.


As obras cresciam a olhos vistos e em pouco tempo a capela ficou concluída, com grande admiração de toda a gente.

 

Ninguém sabia donde vinha o dinheiro, mas a verdade é que nunca ele faltou, como também nunca mais faltou pão com abundância em casa do lavrador.


Todos reconheceram, por isso, que ali andava o dedo de Nossa Senhora, pois, sem Ela, as coisas não poderiam ter corrido tão bem e tão depressa.


Concluída a capela, encomendaram uma imagem, colocaram-na no altar e deram-lhe o nome de Senhora da Saúde, como Ela Se tinha apresentado.


Algum tempo depois, Nossa Senhora voltou a aparecer à menina doente e disse-lhe:


 - Estou muito contente por teres feito o que te pedi.

 

Agora, vou fazer-te mais um pedido:

Vai lavar-te à fonte que está ao pé da capela.

766978.jpg

A menina obedeceu e ficou curada.


Quando regressou à povoação e contou o que lhe tinha sucedido, houve uma explosão de alegria.

 

Todos deram graças à Senhora da Saúde que tão generosamente pagou à menina doente o favor que esta Lhe fizera.


E, daí em diante, os pais começaram a correr para a fonte e a mergulhar nela os filhos doentes, para obterem a cura dos seus males.


A fama destas curas espalhou-se por muito longe, e de toda a parte ali acorriam também os adultos, para beber a água e lavar-se com ela.


O povo de Saudel diz que Nossa Senhora desce do altar todas as sextas-feiras, à meia-noite, em forma de pomba, para benzer a água e manter-lhe o poder de curar.


Essa crença nasceu dum acontecimento miraculoso ocorrido a um casal de peregrinos que, há muito tempo, aí se deslocou, para cumprir uma promessa, no dia de sexta-feira.

 

Como eram de muito longe, foram autorizados pelo ermitão a pernoitar na casa ao lado da capela, nessa altura cheia de palha seca.


Para se acomodarem, levaram com eles uma vela e colocaram-na no parapeito da janela. Depois, deitaram-se e adormeceram, esquecendo-se de a apagar.


Pela meia-noite, quando já estavam mergulhados num sono profundo, a vela caiu e a palha começou a arder, à sua volta.

 

Já prestes a ser devorados pelas chamas, sentiram um bico de ave a picá-los nas faces e acordaram sobressaltados.


Abriram os olhos e ainda puderam ver, à luz das labaredas, uma pomba branca a sair pela janela que dava para a fonte.


Só então deram pelo pavoroso incêndio que lavrava à sua volta.

 

Levantaram-se, muito aflitos, julgando estar no fim dos seus dias, mas sentiram uma força interior que os impelia para a porta e conseguiram atravessar as chamas sem a mais leve queimadura.


Quando o milagre se tornou conhecido, o povo de Saudel concluiu que foi a Senhora da Saúde, em forma de pomba, que os salvou da morte, quando ia benzer a fonte dos milagres.


Por isso, no dia nove de Agosto, dia da festa da Senhora da Saúde, acorria ao recinto da capela, cantando jubilosamente:

 

Ó Senhora da Saúde,
Senhora tão pequenina,
Quando vais benzer a fonte,
Vais feita numa pombinha.

 

Fonte Biblio: FERREIRA, Joaquim Alves Lendas e Contos Infantis Vila Real, Edição do Autor, 1999 , p.89-91

Place of collection: São Lourenço De Ribapinhão, SABROSA, VILA REALN - Narrativa/ When: XX Century, 90s -Crença Unsure / Uncommitted

 

Fonte: CEAO Centro de Estudos Ataíde Oliveira

Fotos: https://www.allaboutportugal.pt