Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

04.02.21

Castelo Branco @ Lendas de Portugal - Esponjinhos

Miluem

Captura de ecrã 2021-02-01 133027.jpg

 

Quando eu ainda era cachopo novo, ia ajudar o meu pai na lavoura.

Lembro-me de ver muitos esponjinhos, mas um dia vi um tão grande que tive medo.

Era outono e havia muitas folhas no chão lá da tapada onde eu estava.

Começo a ver as folhas a andarem à roda, â roda, cada vez mais folhas se iam juntando e começou a alargar, a alargar...

Eu, naquela altura, benzi-me e fiz uma cruz com os braços.

De repente, aquele zzz,zzz,zzz era cada vez mais forte, e o esponjinho começa a subir, a subir até que desapareceu por completo lá muito no alto.

Quando se via um esponjinho, tínhamos que fazer o sinal da cruz, porque senão eramos levados para o meio dele e desapareciamos com o esponjinho.

Dizia-se que lá no meio andava o diabo, e quem o quisesse matar tinha que deitar lá para o centro do remoinho uma laje fininha molhada com cuspo.

Uma laje é uma pedra muito fina de forma achatada que se encontra nas ribeiras e nos rios.

Eu nunca experimentei deitar a laje, mas diziam que era verdade que a laje até ficava com marcas de sangue do diabo.

 

Source: SALVADO, Maria Adelaide Neto Remoínhos, Ventos e Tempos da Beira s/l, Band, 2000 , p.37-38

Year: 1994 - Place of collection: Salgueiro do Campo, CASTELO BRANCO, CASTELO BRANCO

Collector:  Cristina Maria Martinho (F) – Informant: Manuel dos Santos Azevedo (M), 75 y.o.,

Narrative – When:  20 Century, Belief: Unsure / Uncommitted

Centro de Estudos Ataíde Oliveira

Foto: Pintrest

04.02.21

Como disse?

Miluem

Andei aqui no meu telemóvel, atafulhado das coisas que tenho a mania de guardar, e encontrei:

 

- a imagem,

estamos on natal.jpeg

- a informação do governo,

- a tolerância de ponto e o motivo,

- as recomendações da DGS,

tudo links abaixo

 

(…)

Mr. Siza Vieira said that “a lot of people” in Portugal had seen family members during the Christmas holidays. Many, he added, had crisscrossed the country, ignoring rules prohibiting domestic travel. “The evidence of the mobility in the country shows that people didn’t even respect the restrictions that we had in place,” he said.

(…)

 https://www.nytimes.com/2021/02/02/world/europe/portugal-coronavirus-surge-hospitals.html#click=https://t.co/mwmdtCOqVK

 

(…)

O ministro da Economia acredita que o alívio das restrições no Natal e o facto de os portugueses não terem cumprido as regras que havia nessa altura foram a principal causa para o disparo no número de casos de infeção no país. Em entrevista ao The New York Times (conteúdo em inglês), Pedro Siza Vieira disse ainda que se preveem semanas bastantes difíceis no que toca ao evoluir da pandemia.

Governo aliviou as medidas de restrição na quadra natalícia e “muitas pessoas” aproveitaram para visitar familiares nessa altura, começou por dizer o ministro, referindo que muitas cruzaram o país, ignorando as regras que proibiam as viagens domésticas“As evidências da mobilidade no país mostram que as pessoas nem respeitaram as restrições que tínhamos na altura”, acrescentou.

(…)

 https://eco.sapo.pt/2021/02/04/pessoas-nao-respeitaram-restricoes-durante-o-natal-diz-siza-ao-nyt/

 

https://www.sns.gov.pt/noticias/2020/12/05/medidas-para-o-natal-e-ano-novo/

https://www.publico.pt/2020/12/15/sociedade/noticia/dez-recomendacoes-dgs-evitar-contagios-natal-1943085

https://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/tolerancia-de-ponto-no-natal-e-duvida-no-ano-novo-para-a-funcao-publica

 

 

04.02.21

Nova Lisboa, Angola

Miluem

download