Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

23.02.21

Rio Baceiro, Bragança @ Lendas de Portugal - Lenda Rio Baceiro - Trutas de Ouro

Miluem

Rio Baceiro.JPG

 

Lenda Rio Baceiro - Trutas de Ouro

 

 

Diz uma lenda antiga e pouco conhecida que na margem esquerda do rio Baceiro, ali pelas imediações da ponte dos Teixeiras, existiu um moinho, cujo dono possuía duas trutas de ouro autêntico que tinham sido herdadas de seu pai, que fora, em tempos, ourives ambulante.

 

Certa noite surgiu uma tempestade de tais proporções, que as águas do Baceiro subiram ao ponto de varrer tudo quanto se encontrava nas suas margens.

 

O moleiro teve tempo de fugir, mas não conseguiu salvar as trutas, que eram duas barras de ouro maciço, esculpido e bem trabalhado em forma de peixe.

 

Diz ainda a lenda que o moleiro gastou anos à procura das suas valiosas peças de ouro, mas, que se saiba, nunca mais ninguém as viu.

 

 

Recolha (1985) de Augusto José Teixeira Lopes - residente em Lisboa.

 

Fonte: Cancioneiro Transmontano 2005 - Edição: Santa Casa da Misericórdia de Bragança

Foto: http://www.rotaterrafria.com/pages/223/?geo_article_id=6894

 

21.02.21

Santa Cruz das Flores @ Lendas de Portugal - A Água da Igreja de Nossa Senhora de Lourdes

Miluem

83afdb81795f1881ad060e8df05776ea.jpg

A Água da Igreja de Nossa Senhora de Lourdes

 

Já no século vinte, o povo do lugar da Fazenda das Flores andava muito entusiasmado porque estava finalmente a realizar um sonho já velho: construir a sua igreja dedicada a Nossa Senhora de Lourdes.

 

Tinham escolhido um lugar alto e vistoso, de onde se podia espreitar quase todas as casas do lugarejo ou os terrenos verdes salpicados do azul das hortênsias na Primavera e Verão ou ainda ver o mar até ao horizonte distante.

 

Andavam todos muito cansados porque tinham de fazer os seus trabalhos nas terras e ajudar nas obras da igreja. Não havia água nas redondezas, o que dificultava ainda mais os trabalhos.

 

Enquanto os homens iam levantando as paredes com os mestres, as mulheres e as crianças faziam grandes cortejos e partiam de latas e potes à cabeça para a Ribeira de Além.

 

De lá traziam, com grande sacrifício, a água que os homens precisavam para ir fazendo a argamassa. Várias vezes durante a viagem, debaixo de um calor intenso, as mulheres pediram a Nossa Senhora de Lourdes que lhes deparasse água.

 

Uma certa noite, enquanto todos dormiam profundamente e descansavam de um dia de muito trabalho, a água brotou e começou a correr com abundância ao pé do lugar onde estavam a levantar as paredes da igreja.

 

De manhã, ao chegarem, os trabalhadores ficaram maravilhados com o que tinha acontecido e as pessoas da Fazenda, animados na sua Fé, trabalharam ainda com mais vontade, até que por fim a nova e linda igreja abriu ao culto.

 

A água continuou a correr numa fonte debaixo da sacristia da igreja de Nossa Senhora de Lourdes.

 

Os florenses começaram a sentir uma veneração muito especial por esta água fresca e cristalina que curou muitas doenças às pessoas, algumas vindas de freguesias distantes só para beber a milagrosa água de Nossa Senhora de Lourdes.

 

 

Fonte:  Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.277

Place of Collection: Santa Cruz Das Flores, SANTA CRUZ DAS FLORES, ILHA DAS FLORES (AÇORES)

Narrativa - When: XX Century, 90s - Crença: Unsure / Uncommitted

CeAO - Centro de Estudos Ataíde Oliveira

Foto: Pintrest

 

21.02.21

A Vinca

Miluem

IMG_20210212_201716.jpg

Esta flor está num jardim público por onde passei, não sabia o nome por isso fui pesquisar.

Então chama-se "Vinca" o sobrenome é que está mais complicado.

Passo a explicar, pertence à família das "Apocynaceae" (do lado da mãe) do lado do pai pode ser da família "difformis", "major" ou "minor"

 

Os nomes comuns e descrição da planta:

 

"Vinca" "major e minor"

congoça, congonha,

congossa, congoxa, 

pervinca.

 

É uma planta arbustiva de caules rastejantes. A floração da "major" ocorre de Março a Junho e a da "minor" entre Março e Maio.

 

"Vinca difformis"

Erva-da-inveja, pervinca,

congorsa, congossa,

alcangorça, alcongosta,

erva-congorça, erva-concorça,

salva-da-inveja.

 

Planta que se estende pelo solo com longas ramadas, floresce entre o Inverno e a Primavera.

 

Acho que esta é uma Vinca difformis estamos em Fevereiro e já está em flor... também pode estar adiantada...

 

Pág. 1/8