Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

16.12.20

Não é uma compota como o subdiretor-geral da Saúde, sugeriu, mas é parecido!

Doce de abóbora com pêra-rocha

Miluem

doce_de_abobora_com_pera_rocha.jpg

 

Doce de abóbora com pêra-rocha

 

Ingredientes:

600 g de abóbora limpa

400 g de pêra rocha limpa de casca e sementes

500 g de açúcar amarelo

Sumo de 1 limão

Sumo de 1 laranja

1 pau de canela

1 estrela de anis

 

 

1. Colocar a abóbora e a pêra cortadas em pedaços pequenos numa panela.

 

2. Juntar os restantes ingredientes e levar ao lume.

 

3. Quando as frutas estiverem cozidas, retirar o pau de canela e a estrela de anis. Triturar a mistura com a varinha mágica e deixar apurar até obter ponto de estrada.

 

4. Guardar ainda quente em frascos previamente esterilizados.

 

https://www.cincoquartosdelaranja.com/2014/12/doce-de-abobora-com-pera-rocha.html?m=1

 

16.12.20

Poemas de Natal * Natal Chique de Vitorino Nemésio

Miluem

vitorino-nemesio_1481646860.png

Natal Chique

 

Percorro o dia, que esmorece

Nas ruas cheias de rumor;

Minha alma vã desaparece

Na muita pressa e pouco amor.

 

Hoje é Natal. Comprei um anjo,

Dos que anunciam no jornal;

Mas houve um etéreo desarranjo

E o efeito em casa saiu mal.

 

Valeu-me um príncipe esfarrapado

A quem dão coroas no meio disto,

Um moço doente, desanimado…

Só esse pobre me pareceu Cristo.

índice.jpg

Vitorino Nemésio

in Antologia Poética.

 

https://espalhafactos.com

Fotos: Pintrest

16.12.20

Lenda do Belo Suldório @ Lendas de Portugal

Miluem

Madrazo_Viriatus_HighRes.jpg

La muerte de Viriato, jefe de los lusitanos de 1807

Artist: José de Madrazo y Agudo (1781–1859)

Imagem: Wikipédia

Lenda do Belo Suldório

 


Viriato, que começara por ser pastor dos montes Hermínios, foi o grande líder da revolta lusitana contra os invasores romanos. A sua coragem e destreza eram tão grandes que, com um efetivo de homens muito inferior ao poderoso exército de Roma, conseguiu derrotar várias vezes os romanos.

 

Com o tempo, o exército de Viriato cresceu, chegando a formar-se um corpo especial de guarda a Viriato, os Suldórios, constituído apenas por voluntários dispostos a morrer por ele.

 

Um dia, ao acampamento de Viriato, chegou um jovem loiro, de olhos azuis e de aparência frágil, que se dispunha a oferecer-se como voluntário para guarda a Viriato. Foi recebido, com certa troça, por parte de Viriato, que não acreditava muito nas suas capacidades como guerreiro; contudo, depressa mudaria de opinião.

 

Fazendo sempre questão de combater ao lado do grande chefe, o jovem voluntário revelou-se um extraordinário soldado, leal e dedicado, impressionando Viriato. Muitas vitórias se sucederam até que, num período de tréguas, Viriato casou com a sua amada Vanídia e, um dia, levou-a à tenda do seu suldório preferido para lho apresentar.

 

Nesse encontro, a palidez do jovem e frágil soldado era notória e quando Vanídia lhe pediu que fosse tão amigo dela como o era de Viriato, o jovem suldório respondeu que a sua dedicação pelo chefe lusitano era tão grande que não havia lugar para mais nenhum sentimento no seu coração.

 

Passados alguns anos, os romanos, que não conseguiam vencer Viriato com uma luta leal, procuraram entre o seu exército um traidor que o apunhalasse a troco de dinheiro e lhe cortasse a cabeça para que fosse entregue ao cônsul romano.

 

Mais tarde, os soldados lusitanos foram encontrar o jovem suldório abraçado ao corpo decapitado de Viriato, chorando desesperadamente. A dor e a indignação geral instalou-se e foi realizado um funeral solene, durante o qual o corpo do herói seria queimado.

 

Quando já se erguia uma grande fogueira, os soldados de Viriato quiseram escolher o seu sucessor como era de tradição. Todos apontaram para o frágil e louro soldado que, sem uma palavra, e de cabelos soltos ao vento, se levantou e se aproximou da fogueira, onde o corpo de Viriato ardia.

 

Lentamente, perante todos, despiu a armadura e as roupas que trazia. Os lusitanos verificaram, com espanto, que o soldado era afinal uma bela mulher que confessou ter-se disfarçado para poder estar perto do homem que amava até à morte.

 

A mulher, que tinha vivido para Viriato e cujo nome se perdeu no tempo, saltou para a fogueira e nela morreu, junto ao grande amor da sua vida.

 

 

Como referenciar: Lenda do Belo Suldório in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-06 11:19:12]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$lenda-do-belo-suldorio

 

Notas:

- Montes Hermínios, nome antigo da Serra da Estrela

- O suldório, soldado e cavaleiro de elite da antiga Lusitânia.

 

16.12.20

Freixo de Espada à Cinta @ Lendas de Portugal - Lenda da Escapa

Miluem

Igreja-Matriz-de-Freixo-de-Espada-à-Cinta_01_fre

Lenda da Escapa

 

 

Diz-se que nesta terra havia em tempos remotos um destacamento militar que prestava segurança à população que então existia.

 

Em determinada ocasião ou por querer fugir, ou por se sentir perseguido, um dos soldados sentia-se seguido por colegas e oficiais.

 

Escondeu-se debaixo da ponte que em dado local se encontrava e escapou à prisão.

 

Daí resultou o nome de «Escapa» dado a uma pequena quinta perto da vila.

 

 

Recolha (1985) de Victor Manuel Melão Sapage.

– Escola de Freixo de Espada à Cinta.

 

Fonte: Cancioneiro Transmontano 2005

Edição: Santa Casa da Misericórdia de Bragança

Foto: https://www.culturanorte.gov.pt