Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes, gosto de os partilhar por imagens e ou palavras.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

14.05.20

Chaves @ Lendas de Portugal - Lenda das duas chaves

Miluem

Foto: https://chaves.blogs.sapo.pt

 

Esta é uma lenda da origem do nome da cidade de Chaves

– uma lenda em que o amor supera todas as faltas.

 

 

Lenda das duas chaves

 

 

No tempo em que reinava o imperador Tito Flávio Vespasiano, as legiões romanas chegaram triunfantes à Ibéria, atravessando as regiões da Galiza e de Trás-os- Montes. Porque a terra era boa, fixaram-se nesta última província, começando a construir estradas e pontes.

 

Ora, tendo os romanos uma autêntica devoção pela água, grande foi a sua alegria quando descobriram “águas quentes jorrando da terra”.

 

 

Termas, Chaves, anos 30  -  https://chavesantiga.blogs.sapo.pt/95292.html

 

 

Construíram logo aquedutos e um grande tanque onde se iam banhar, conseguindo curas fantásticas por intermédio dessas águas medicinais.

 

Tal foi a sua fama, que chamaram à cidade ali construída “ Aquae Flaviae” ( nome que os romanos deram à vila de águas que produziam curas maravilhosas, aludindo à proficiência das suas águas e à família dos Flávios).

 

Tão progressiva se tornou, que o próprio imperador Tito Vespasiano, colocou ai como procurador, um seu primo, o jovem Décio Flávio, então comandante da Legião Sétima.

 

Certo dia, o cônsul Cornelio Máximo, recebeu em Roma uma mensagem do jovem Décio Flávio, e achou por bem consultar sua filha Lúcia.

 

O cônsul apresentou a sua filha uma caixa forrada de seda e contendo duas chaves de ouro, que simbolizavam saúde e amor.

 

Décio, na sua mensagem oferece um lugar em Aquae Flaviae, para que Lúcia tenha possibilidade de tomar os banhos nessas águas extraordinárias e encontre a cura para os seus males (pois estava cheia de feridas na cara e mãos). Alguns meses passaram, obtida a necessária licença do Imperador Vespesiano.

 

Cornélio Maximo seguiu com sua filha para a então famosa Aquae Flaviae, uma das mais florescentes cidades do Império, na Península.

 

Duas semanas depois de chegarem e de tratamento já se notavam melhoras em Lúcia.

 

Agradeceu a Décio Flávio aquela caixa tão bonita forrada de seda que continha as duas chaves de ouro.

 

— Ver-te e ouvir-te é o que mais ambiciono na vida. O teu amor por mim é parte da minha cura! E, já agora, deixa que te comunique quão feliz me tornou aquela caixa tão bonita, forrada de seda e contendo duas chaves em ouro: duas chaves simbólicas que dizem bem do teu carácter e da sorte que tive em ter-te agradado!

 

O jovem romano acariciou mais uma vez os cabelos da sua bem-amada e pediu:

 

— Lúcia, guarda essas duas chaves por toda a nossa vida!

 

Lúcia concordou:

 

— Assim farei! E se possível for… que elas fiquem por toda a eternidade contando à gente vindoura o que pode um verdadeiro amor!