Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes, gosto de os partilhar por imagens e ou palavras.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

31.03.20

Vilagateira @ Lendas de Portugal - Vila Gateira

Miluem

10351593665_c8d501eddb_b.jpg

 

Vilagateira

 

Antigamente quando andavam a pôr o nome nas freguesias.

 

Passaram pela aldeia e viram que havia um buraco em todas as portas.

 

O buraco era para os gatos entrarem para casa.

 

Então, resolveram dar à aldeia o nome de Vila Gateira.

 

Actualmente é mais conhecida por Vilgateira.

 

 

Source: AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,
Year: 2003 / Place of collection: SANTARÉM, SANTARÉM
Collector: Sara Montez (F)
Informant: Maria Georgina Lázaro (F), 68 y.o., SANTARÉM (SANTARÉM),
Narrative / When: 20 Century, / Belief: Unsure / Uncommitted

Fonte: CEAO - Centro de Estudos Ataíde Oliveira

Foto - Flickr

 

História da Extinta Freguesia da Várzea

 

Situada na região do Bairro, a norte de Santarém e no limite urbano da cidade, a freguesia da Várzea (antiga paróquia de Nª Srª da Várzea e Outeiro) é uma freguesia peculiar no sentido em que não existe o nome "Várzea", em termos de lugar.

 

Várzea é assim, o conjunto de todos os lugares que compõem a freguesia, e o lugar principal, tido como sede de freguesia é Outeiro da Várzea.

 

Ignora-se a data da sua criação, sabendo-se porém que já era povoada durante a ocupação árabe. O nome várzea é um agro-topónimo, alusivo a campos planos e férteis.

 

A toponímia de alguns dos lugares pertencentes a esta freguesia comprova a sua antiguidade: Aramenha (de Sermenha), Vila Gateira (refere-se à Villa romana), Mafarra (origem árabe)

 

A quinta da Mafarra pertenceu a D. Maria Esteves Mafarra, neta de um rico cavaleiro de Santarém, João Egas (ou Viegas). Foi incluída nos bens do convento de Santa Clara, na primeira metade do século XIV, quando D, Maria Esteves se tornou abadessa daquele convento.


Porém, a falta de elementos sobre a história desta freguesia deve-se ao afacto dos seus arquivos terem sido destruídos pelas tropas francesas em 1810, tendo a capela de S. Miguel e mais nove templos, sido profanadas e saqueados.

 

(...)

 

https://www.freguesias.pt/portal/caracterizacao_freguesia.php?cod=141632