Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes, gosto de os partilhar por imagens e ou palavras.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

20.02.20

Alfândega da Fé @ Lendas de Portugal - Lenda do Frei João Hortelão

Miluem

 

Lenda do Frei João Hortelão

 

Conta o povo que Frei João Hortelão, antes de ingressar num convento em Espanha, foi Pascoal, guardador de gado. Nascido em Valverde, foi trabalhar para Eucísia, posteriormente e para fugir aos maus tratos dos patrões foi viver para o Felgar.

 

Conta-se que atravessa o rio sabor para assistir à missa, deixando o gado à volta do seu cajado e quando regressava o gado encontrava-se no mesmo local.

 

O Patrão, tendo tomado conhecimento disso, proibiu-lhe a ida à missa e ordenou ao barqueiro que não o transportasse na barca.

 

Tal não o impediu de atravessar o rio e continuar a sua missão, servindo-se para este efeito da capa que estendia sobre o rio ,fazendo as vezes de um barco.

 

Diz-se que no local onde deixava o gado cresceu uma cornalheira de dimensões fora do vulgar, transformada em árvore frondosa, cuja folhagem se mantém verde durante todo o ano.


Frei João emigra para Espanha e entre num convento em Castela.

 

Foi aí que foi batizado com o nome de Frei João Hortelão, uma vez que cuidava da horta, com tanto esmero e habilidade que até conseguia afastar os pássaros das sementes das hortaliças.


Mas o facto mais espantoso atribuído a esta figura mítica é a conceção da Cruz Processional de Valverde.

 

Uma peça de ourivesaria religiosa de elevado valor e que, segundo reza a lenda, terá sido feita com pedacinhos de prata que ia guardando na ourivesaria onde trabalhava.

 

A cruz foi trazida e oferecida á sua aldeia natal e ainda hoje aí existe.

 

https://www.cm-alfandegadafe.pt/pages/1030

 

20.02.20

A força da natureza

Miluem

IMG_20200214_131726_1581711225076.png

No fim da última floração, depois de mais de meio ano cheia de rosas,  ficou esgotada.

Parecia que já não teria forças para um novo ciclo.

Foi podada para tirar todos os raminhos secos ou que lhe tirassem o resto da força.

Descansou, recuperou e aí está ela de novo a "rebentar", a preparar-se para as suas rosas vermelhas.