Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas que eu gosto! E as outras...

Este é o meu espaço, nele partilho as minhas fotos amadoras, as coisas que aprendi e vou aprendendo.

As coisas que eu gosto! E as outras...

Este é o meu espaço, nele partilho as minhas fotos amadoras, as coisas que aprendi e vou aprendendo.

07.11.19

Marinha Grande @ Lendas de Portugal - Lenda das Camarinhas

Miluem

http://pinhaldorei.net/fauna-flora-do-pinhal-do-rei/vegetacao-autoctone/

 

 

Lenda das Camarinhas

 


Se D. Dinis foi grande poeta e amante da cultura, também possuía um espírito folgazão a que se lhe juntava e amalgamava um sentido apaixonado pela beleza, fosse ela da Natureza: as paisagens, o mar, o céu e as nuvens, ou… uma beleza feminina, fosse loira ou trigueira, mas sempre sem eflúvio que o embebedasse. E assim o Rei se perdia. E assim deixava passar as doces tardes nos ardorosos favores duma linda burguesa ou duma simples mas graciosa camponesa.


Sabedora das virtudes e dos pecados do marido, a Rainha Santa, que apesar de Rainha e Santa não deixava de ser mulher e ciosa das suas crenças, sentia a par dum normal ciúme, um particular estímulo de defesa. Quando o rei não chegava à hora acostumada, por mais esforço que fizesse para se não notar, ficava inquieta, pensativa e nervosa. El-Rei não mudava. Por mais que lhe prometesse, voltava sempre ao mesmo. Ela, a Rainha Santa, bem entendia aqueles olhares indiscretos e de pena que as aias deixavam subentender. El-Rei, novamente perdido por alguma camponesa mais fresca e ladina.


Ficara para trás o idílio com a camponesa da pequenina aldeia a que, devido ao desvaria de El-Rei, o povo apodara de Amor. Aos primeiros indícios notados, a Rainha tentou não ligar, mas a distância com que presenciava o ciciar das aias fê-la entender que o caso era mais sério. Então recordava Amor: quando sabedora de que o idílio perdurava, resolveu, com o seu pequeno séquito, ir em demanda da alcova do amor. Saindo ao começo da noite, ordenou que se prendessem pelo caminho archotes de resina e pez a arder, para que o Rei encontrasse a luz, ou seja, o remoque dum caminho iluminado a quem, num estado de cegueira, não via o desvario que o tomava.

 

https://dias-com-arvores.blogspot.com/2014/09/camarinha-de-outras-praias.html

 

El-Rei, na sua alcova alertado, pôs-se a caminho do Paço, vindo a encontrar a Rainha, no sítio onde o povo ficou a chamar de Cegodim, porque D.Dinis, ao encontrar a Rainha com todo aquele aparato de luminosidade, lhe disse: - Senhora minha! Vindes com tamanha luz!… E eu que tão cego vim!


De “Cego Vim”, a voz do povo, pelo tempo fora, transmudou em Segodim, sendo com este nome que o lugar hoje se denomina.


No dia seguinte, a Rainha, que pressentia novos e sérios pecados de El-Rei, partia em busca do local de novo idílio, tentando surpreender El-Rei consumando o pecado. A meio da tarde Isabel chegara ao local que as aias lhe indicaram. Mandou parar o pequeno séquito e, sozinha, com o coração destroçado, encaminhou-se para junto do rochedo, entre Pinhal e mar, até dar com D.Dinis em flagrante delito amoroso. Ao vê-la, D. Dinis abriu os olhos espantados… Enquanto, dos belos olhos da Rainha Santa, as lágrimas abriam, cristalinas, pelo rosto abaixo, perdendo-se sobre o mato em verdadeiro aljôfar, branco, tão branco, que logo todo aquele mato, à orla do Pinhal se alindou.

 

Corema_album_berries.jpg

Foto: Por Júlio Reis (User: Tintazul) - Wikipédia


E assim se fez a lenda das camarinhas. Desde esse dia que esses pequenos arbustos, as camarinheiras, florescem em homenagem às lágrimas santas da Rainha, por essa época do ano, em Setembro, cobrindo-se de pequenos frutos brancos, agridoces, pelo imenso Pinhal do Rei, mais intensamente à orla da beira-mar.

 

www.cm-mgrande.pt

Percurso interpretativo de Lendas da Marinha Grande

Nesta página apresentamos a versão completa de algumas das lendas mais conhecidas da história da Marinha Grande e das suas praias, integrantes do Percurso Interpretativo das Lendas, inaugurado no dia 27 de setembro de 2019, ao longo do percurso da ciclovia de São Pedro de Moel. Acompanhe-nos enquanto lhe mostramos os excertos completos dos livros de José Martins Saraiva, onde as lendas são descritas pormenorizadamente.