Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem-vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

04.10.19

Monchique @ Lendas de Portugal - Lenda do Manto de Santo António

Miluem

Santo-Antônio-de-Pádua-Arautos-org.jpg

Foto: Arquidiocese de Sorocaba, Brasil

 

 

Lenda do Manto de Santo António

 

Diz a lenda que, em Monchique, uma jovem pediu a Santo António para lhe arranjar casamento. Ela casou e, agradecida, cobriu a imagem do santo com um manto azul bordado a ouro.


No entanto, a jovem não foi tão feliz como esperava. O marido tratava-a mal, apesar da sua gravidez. Assim, nasceu uma filha, que cresceu entre discussões azedas.

 

Aos oito anos, a criança decidiu pedir a Santo António para pôr termo a tantas discussões. Em troca, prometeu-lhe que nunca lhe faltariam flores.


Após algumas horas a rezar junto à imagem do santo, a menina sentiu alguém tocar-lhe no ombro. Um homem estranho pediu-lhe algo para comer e um sítio para descansar.

 

A menina levou-o para sua casa, mas o pai resmungou pelo atrevimento da filha.

 

Então, o visitante resolveu conversar com ele. Encantado com as palavras do visitante, o pai da criança sentiu que iniciava nesse instante uma vida nova e resolveu ajudar a mulher a preparar a refeição.

 

Quando voltou à sala, o estranho homem tinha desaparecido e no seu lugar estava uma pequena imagem de Santo António, semelhante à que se encontrava no nicho da vila.

 

A partir daquele dia, nunca mais faltaram flores a Santo António.

 

 

Como referenciar:

Lenda do Manto de Santo António in Artigos de apoio Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2019

Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$lenda-do-manto-de-santo-antonio

 

04.10.19

desafio de escrita dos pássaros #4 - A Beatriz disse que não. E e agora?

Miluem

69799557_103648321015674_4062285956680515584_n.png21542387_toGhe.png

 

A Beatriz disse que não. E e agora ??!!

 

Bichanou Lizete a Felismino, em que pé ficam o Cruzeiro às Concheles, a quota na Quinta do Verdete e o negócio?

 

21542387_toGhe.png

 

Tanto a Dra. Lizete como o Eng.º Felismino eram de proveniência humilde, de famílias trabalhadoras e orgulhosas por terem um dos seus na Universidade.

 

Por obra do destino, viriam a encontrar-se no Campus da Universidade de Coimbra, e tornaram-se inseparáveis, união que se manteve após a Universidade e se firmou no casamento, formando uma nova família, ambos com carreiras de sucesso (um passado e história reescritos, os verdadeiros não estavam à altura do status entretanto aquirido)  e sem qualquer pudor em "atropelar" quem estivesse no caminho.

 

A vida de reconhecimento social que almejavam estava finalmente ao seu alcance. O noivado da sua filha Beatriz com Henrique, o filho do seu cliente e amigo, Dr. Armando Albuquerque tinha-lhes aberto as portas do restrito "círculo das fortunas antigas" da cidade.

 

Beatriz tinha terminado há pouco o Curso de Medicina e pretendia tirar um ano sabático, antes da especialização em Cardiologia, e fazer voluntariado no interior do país junto de populações idosas, mas conheceu Henrique e o seu mundo mudou.

 

Apaixonou-se, todos os seus antigos planos mudaram e tomaram o seu lugar, uma família feliz com filhos queridos e amados e medicina exercida num pequeno consultório.

 

Henrique era possuidor de um Mestrado em Eng.ª Aerospacial, mas trabalhar não fazia parte dos seus planos, era apreciador de uma vida desregrada de luxo e estravagância,

 

Beatriz sem saber, era a "moeda de pagamento" de um negócio entre duas famílias, Lizete e Felismino compravam Estatuto Social  a Armando Albuquerque e ofereciam uma fachada de respeitabilidade ao seu filho cuja conduta incomodava e embaraçava a família. Com os pormenores do "negócio" assentes, Lizete respirou de alívio.

 

O local escolhido para o casamento e boda, foi uma belíssima Quinta de Vinho do Porto à beira do Rio Douro, inundada de cores de Outono, que deslumbrava a fina flor da sociedade que ia chegando para as cerimónias. Lizete e Felismino andavam num frenesim com os convidados.

 

Beatriz, sozinha no quarto estava linda no seu vestido branco. Ouviu vozes em tom alterado, reconheceu-as e entreabriu a porta, ouviu parte da conversa entre Henrique e Armando e decidiu!

 

NÃO!!!

 

IMG_20191004_141623.jpgFotos: google reunidas e trabalhadas