Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas que eu gosto! E as outras...

Este é o meu espaço, nele partilho as minhas fotos amadoras, as coisas que aprendi e vou aprendendo.

As coisas que eu gosto! E as outras...

Este é o meu espaço, nele partilho as minhas fotos amadoras, as coisas que aprendi e vou aprendendo.

31
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 14) -Receita do Bolo Santoro

Miluem

Receita do Bolo Santoro

 

Bolo-Santoro-Pumpkin.jpg

Bolo Santoro — ©Pumpkin — Pão por Deus: uma tradição bem Portuguesa

 

 

Em algumas povoações da Zona Centro e Estremadura chama-se a este dia o Dia dos Bolinhos ou Dia do Bolinho.

 

Os bolinhos típicos são especialmente confeccionados para este dia, sendo feitos com base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.

 

São chamados Santorinhos.

 

É também costume em algumas regiões os padrinhos oferecerem um Santorinho aos seus afilhados.

 

Se quiser reavivar esta tradição e receita, dando-a a conhecer aos seus familiares e amigos, experimente fazer um Santorinho em casa, seguindo esta receita:

 


Ingredientes:

 

1kg de batata cozida
1kg de farinha
4 ovos
750 gramas de açúcar
150 gramas de manteiga
Canela
Fermento
Frutos secos
Erva-doce

 


Preparação:

 

É só misturar, fazer pequenas bolinhas, colocar no forno e quando estiver cozido e ligeiramente tostado, está pronto.

 

https://ncultura.pt

31
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 13) - Broa Castelar

Miluem

Resultado de imagem para broa castelar

Foto: https://cloudberries.blogs.sapo.pt

 

 

Broa Castelar

 

A Broa Castelar é um doce típico do dia de Todos-os Santos e Natal em Portugal.

 

São feitas à base de batata doce, no entanto, as receitas tem variações de zona para zona.

 

Aqui fica um exemplo:

 


Ingredientes:

 

2 gemas de ovo para pincelar
Farinha para polvilhar, q.b.
3 colher (sopa) pão ralado
200g farinha de milho
200g farinha de trigo
100g côco ralado
3 ovos
1 laranja em raspa
Sal, q.b.
850g açúcar
750g batatas-doces
(Oléo para untar, q.b.)

 

Confeção:

 

Descascar e cozer a batata doce em água temperada com um pouco de sal;


Depois de cozidas as batatas escorrê-las bem;


Pese o puré obtido. Deverá ter meio quilo. Misturar ao puré meio quilo de açúcar;


Levar esta mistura a lume brando, tendo o cuidado de estar sempre a mexer com uma colher de pau, para que não se pegue ao fundo do tacho;


Retirar o puré obtido do lume e deixar arrefecer. É preferível que descanse de um dia para o outro;


Quando arrefecida, juntar ao puré de batata doce e açúcar a raspa da laranja, os ovos, o côco ralado, o restante açúcar e o pão ralado.

 

Mexer bem esta nova mistura e levá-la ao lume até levantar fervura, mexendo sempre para não pegar ao fundo do tacho;


Juntar as farinhas e ligar tudo muito bem;


Deitar este preparado sobre a pedra da mesa polvilhada com farinha e deixar arrefecer;


Quando um pouco arrefecida, moldar as broas com as mãos;


Quando moldadas, colocar as broas num tabuleiro untado com óleo e pincelá-las com gema de ovo;


Levar o tabuleiro ao forno pré aquecido a 180º C, durante 20 minutos.

 


https://www.portugal-aptece.com

 

31
Out19

Alguns versos para quem não tem prática a pedir o "Pão por Deus"

Miluem

 

Alguns versos para quem não tem prática a pedir o "Pão por Deus"

 

 

São vários os versos para pedir o Pão por Deus:

 

Ó tia, dá Pão-por-Deus?

Se o não tem Dê-lho Deus!.

 

Ou então:

 

Pão por Deus,

Fiel de Deus,

Bolinho no saco,

Andai com Deus.

 

 

 

Versos dos Açores

 

Dae pão-por-deus

Que vos deu deus

P'ra repartir

C'os fieis de deus

Pelos defuntos

De vo'meces...

 

Quando o peditório é infructuoso:

 

Tranca me dáes

fujo p'rá rua

E seja tudo

P'l'amor de deus

 

Fonte: Revista dos Açores, Volume 1 Sociedade Auxiladora das Lettras Açorianas

 

 

 

    Bolinhos e bolinhós

    Para mim e para vós,

    Para dar aos finados

    Que estão mortos e enterrados

    À bela, bela cruz

    Truz, Truz!

    A senhora que está lá dentro

    Sentada num banquinho

    Faz favor de s'alevantar

    Para vir dar um tostãozinho.

 

Se dão doces:

 

    Esta casa cheira a broa,

    Aqui mora gente boa.

    Esta casa cheira a vinho,

    Aqui mora um santinho.

 

Se não dão doces:

 

    Esta casa cheira a alho

    Aqui mora um espantalho.

    Esta casa cheira a unto

    Aqui mora algum defunto

 

Fonte: A canção ródia da andorinha

 

 

 

    Pão, pão por deus à mangarola,

    encham-me o saco,

    e vou-me embora.

 

Se não ficarem satisfeitos dizem:

 

    O gorgulho gorgulhote,

    lhe dê no pote,

    e lhe não deixe,

    farelo nem farelote

 

Fonte: Teófilo Brága. O povo portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, Volume 2. As festas do calendário popular

 

 

 

“Pão por Deus,
Fiel de Deus,
Bolinho no saco,
Andai com Deus.”

 

”Bolinhos e Bolinhós
Para mim e para vós
Para dar aos finados
Qu’estão mortos, enterrados
À porta daquela cruz"

 

 

 

Agrupamento de Escolas Monte da Lua

 

Aqui fica um verso:

“Em vez de dizer adeus
bato à porta, que é a tua
Venho pedir pão-por-Deus,
o teu amor e a Lua”.


Agora quero rebuçados!

http://azulnuvem.blogspot.com

 

 

 

Na região da Sertã, a cantilena é diferente:

 

Bolos, bolos,

Em honra dos Santos todos

Bolinhos, bolinhos,

Em honra dos Santinhos.

 

http://garfadasonline.blogspot.com

 

 

 

Outras expressões de Património Imaterial relacionadas com a Festa:


Durante o peditório do Pão por Deus, as crianças também cantavam ou recitavam a seguinte ladainha:

 


Dar pão, por Deus
Que vos deu Deus,
P’ra repartir
Com os fiéis de Deus,
P’los defuntos de vossemecê.

 

http://www.cm-lourinha.pt

 

 

 

Estas são algumas quadras que prevalecem, até aos dias de hoje:

 

Vem aí o Pão-por-Deus

Dia de muita alegria

Vou pedir à minha mãe

Um saquinho pra esse dia.

 

Um saquinho bem bonito

Onde eu possa deitar

Castanhas, figos e nozes

Pra depois saborear.

 

Hei-de lembrar-me também

De quem agora é velhinho

Senão lhe der figos e nozes

Dar-lhe-ei o meu carinho.


http://casadopovocalheta.com

 

 

30
Out19

Nemátodo do Pinheiro, abate de pinheiros - perto de Leiria

Miluem

IMG_20191025_175703.jpg

(Poste editado, o nome do bicho estava mal)

 

Esta era uma zona de pinhal perto de áreas residenciais, comerciais, centro de saúde, escolas e zona desportiva.

IMG_20191028_194109.jpg

 

Foi detectado o Nemátodo em alguns pinheiros bravos.

 

IMG_20191025_180648_1.jpg

 

É uma zona de pinhal público, foi aberto concurso para o corte de cerca de 1.000 pinheiros.

 

IMG_20191028_194140.jpg

 

Quando o corte começou foram aparecendo novos pinheiros infectados.

 

IMG_20191025_180658_1.jpg

 

Foram cortados na zona que mostro e à direita dela, mais de 3.000 pinheiros, todos por causa do Nemátodo.

 

IMG_20191028_194950.jpg

IMG_20191028_195136.jpg

 

Fonte: Fonte: http://www.forestis.pt/

30
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 12) - Broas das Donas (Santarém)

Miluem

Imagem: Pintrest

 

Broas das Donas (Santarém)

 

Estas broas foram criadas pelas freiras do Convento de S. Domingos das Donas, em Santarém, genericamente conhecido por Convento das Donas. Este convento, extinto no séc. XIX, era um dos mais antigos da cidade, sendo habitado pelas freiras da ordem dominicana. As hábeis mãos destas religiosas deixaram marcas no receituário regional de Santarém, sobretudo no que se refere à doçaria.

 

Dentre os doces conventuais criados por estas religiosas, destacam-se estas deliciosas broas, também conhecidas somente por broas de Santarém, que ficam um pouco duras e se conservam durante vários dias.

 


Ingredientes:

 

1 colher (sopa) de canela
1 colher (sopa) de erva-doce
1 kg de farinha de trigo
1 pitada de cravinho
125 g de miolo de amêndoa
150 ml de água
250 g de açúcar amarelo
400 ml de azeite fino
açúcar p/ polvilhar

 

 

Confeção:

 

Escalde as amêndoas e pele-as ainda quentes. Passe-as até ficar com um miolo fino e reserve.


Leve ao lume o azeite com a água, o açúcar e as especiarias.


Retire quando ferver e deite sobre a farinha, num recipiente largo.


Junte a amêndoa e bata até os ingredientes estarem bem ligados.


Deixe a massa arrefecer e molde pequenas broas redondas.


Disponha as num tabuleiro polvilhado com farinha e leve ao forno, pré-aquecido, até as broas cozerem e alourarem.


Ponha-as num prato de servir e polvilhe com açúcar.

 

 

https://www.portugal-aptece.com

 

30
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 11) - Broas de Alpiarça

Miluem

Imagem: Pintrest

 

Broas de Alpiarça

 

A vila de Alpiarça, no distrito de Santarém, tem um património vasto de doces regionais, no qual se incluem estas maravilhosas broas. Também existem nesta mesma localidade as broas fritas, que diferem desta, não só pelos ingredientes, mas também pela forma como são cozinhadas.

 


Ingredientes:

 

1 colher (café) de canela
1 colher (café) de erva-doce moída
1 pitada de sal
100 ml de água
120 g de açúcar amarelo
250 g de farinha
50 g de miolo de amêndoa
50 ml de mel
cravinho moído q.b.
gema p/ pincelar

 

 

Confeção:

 

Misture o mel, o açúcar, a canela, a erva-doce, a água, o sal e o cravinho num recipiente, envolvendo bem todos os ingredientes.


Leve o preparado ao lume, entre 4 a 6 minutos, sem parar de mexer.


Retire do lume e junte toda a farinha. Mexa bem e leve novamente ao lume até cozer.


Deixe a massa arrefecer e, entretanto, pele e rale as amêndoas, deixando algumas para a decoração.


Quando a massa estiver quase fria, molde as broas da forma que desejar. Por cima de cada uma, coloque uma amêndoa inteira e pincele com gema.


Disponha as broas num tabuleiro untado com azeite e leve-as a cozer no forno, a 180º C, durante 20 minutos.

 

https://www.portugal-aptece.com

 

30
Out19

Ditos e Ditados Populares @ CXXIV

Miluem

IMG_20191016_222154.jpg

IMG_20191016_221930.jpg

IMG_20191016_222027.jpg

 

500 provérbios portugueses antigos - Educação moral, mentalidade e linguagem - de Jean Lauand

Estudo e recolha com base no Livro de provérbios de Antonio Delicado

Na Biblioteca Municipal Mário de Andrade (São Paulo-Brasil), encontra-se uma raridade: um exemplar original do livro do lecenciado prior Antonio Delicado, Adagios portuguezes reduzidos a lugares communs, Lisboa, Officina de Domingos Lopes Rosa, 1651.

 

29
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 10) - Broas dos Santos - D. Ana e O Barriguinhas

Miluem

 

Broas dos Santos - de D. Ana e O Barriguinhas

 

Eu acredito que a vida se encarrega de nos colocar onde devemos estar, mesmo que não seja pelos melhores motivos.

 

Desta vez o caminho levou-me a casa da D. Ana.

 

Nesse dia tinha feito as Broas dos Santos, tipícas da sua terra Natal, na zona da Beira Baixa.

Perguntei-lhe se podia fotografar e se me dava a receita.

Ao que me responde, que podia tirar as fotos que quisesse, mas a receita é que estávamos mal, uma vez que faz tudo "a olho" :)

 

Tinha de facto uma receita guia, mas fez de forma diferente, substituindo a banha pelo azeite e como não tinha erva doce moída, ferveu a erva doce num pouco de água e coou, juntando depois à massa.

 

Aqui vos deixo a receita trabalhada por mim, tendo em contas as indicações da D. Ana!

 

Foi uma noite longa, repleta de deliciosas conversas enquanto se mordiscavam pedaços de broa... Obrigada por esta noite à D. Ana e à Raquel (sua filha e minha amiga)!

 

 

Ingredientes

 

1 kg de farinha de trigo

4 ovos batidos

300g de açúcar  amarelo

100g de mel

Raspa de 1 limão

30g de erva doce moída

1 dl de leite

150g de banha derretida (pode substituir por azeite)

40g de canela em pó

20g de fermento de padeiro

Vinho do Porto ou aguardente velha q.b.

 

 

Preparação

 

Começamos por preparar o crescente da nossa massa.

 

Dissolvemos o fermento no leite morno. Juntamos um pouco da farinha até formar uma bola de massa fofa.

 

Tapamos de deixamos descansar entre 30 minutos a 1 hora.

 

Juntam-se todos os ingredientes num recipiente grande. Junta-se o crescente.

 

Caso seja necessário, pode juntar mais um pouco de leite morno caso a massa esteja muito dura ou farinha se estiver liquida. Faça à medida das necessidades e conforme o comportamento da massa e dos ingredientes. Deve obter uma massa moldável e fofa.

 

Amassa-se muito bem e deixa-se a fermentar. (O ideal será fermentar durante a noite).

 

Fazem-se bolinhas de massa, num tamanho médio ou pequenas, barram-se com ovo batido e polvilham-se com açúcar. Vão ao forno a 200º em tabuleiro forrado com papel vegetal e polvilhado de farinha, 30 a 40 minutos.

 

Pode fazer pequenas, são óptimas para o pequeno almoço com leite ou chá.

 

E estas ficam mesmo boas, macias e cheirosas!

 

 

Dica:

Existem diversas receitas para estas broas. Podem levar na massa farinha de milho, abóbora ou mesmo batata doce! Fica também ótimas se recheadas com nozes ou outros frutos secos e passas.

 

Atrevem-se a experimentar? :)

 

https://obarriguinhas.blogspot.com/2015/03/broas-dos-santos.html

 

29
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 9) - Broas dos Santos com Abóbora

Miluem

Broas-dos-Santos-com-Abóbora.jpg

 

Broas dos Santos com Abóbora

 

 

À receita tradicional das broas dos Santos, também conhecidas como bolos dos Santos, alia-se a abóbora e o resultado são uns bolinhos deliciosos, capazes de fazer crescer água na boca. Como se costuma dizer, estes bolos, típicos do dia de Todos os Santos, são de comer e chorar por mais…

 

 

Ingredientes:

 

    ½ colher (sopa) de canela

    ½ kg de farinha de milho

    1 colher (sopa) de sementes de erva-doce

    1 pitada de sal

    100 ml de água fria

    1 kg de farinha de trigo

    1 pau de abóbora

    1,5 kg de abóbora-menina

    250 g de açúcar amarelo

    30 g de fermento de padeiro

    50 g de nozes

    50 g de passas

    50 g de pinhões

    ovo p/ pincelar

 

 

Confeção:

 

Coza a abóbora num pouco de água com sal, escorra e esmague-a. Reserve a água.

 

Dissolva o fermento na água fria e junte as farinhas, previamente misturadas, amassando vigorosamente à medida que vai juntando a abóbora e o açúcar. Se necessário, junte um pouco da água de cozer a abóbora.

 

Quando a massa tiver uma consistência bem elástica, tape e ponha-a a levedar em local temperado.

 

Corte os frutos secos em pedaços e reserve.

 

Mergulhe as passas e o pau de abóbora em água morna, enxugando-os de seguida.

 

Estando a massa levedada, adicione a erva-doce e a canela, os frutos secos, as passas e o pau de abóbora.

 

Ponha um pouco de farinha e da massa num recipiente com cerca de 10 cm de diâmetro.

 

Molde a massa em bolas, rodando o recipiente. Repita a operação as vezes necessárias para terminar o preparado.

 

Disponha as broas em tabuleiros untados com azeite, pincele-as com ovo e leve a cozer em forno bem quente (200º a 220º C), entre 30 a 40 minutos.

 

http://www.docesregionais.com

28
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 8) - Broas fervidas do Ribatejo (Receitas da Piteca)

Miluem

Broas fervidas do Ribatejo

 

A receita é da Conceição Alves e retirei do grupo Torres Novas, ela descreveu-as como "as broas fervidas que só os Ribatejanos sabem fazer" e eu, como boa Ribatejana que sou, tive de as experimentar.


Na minha opinião achei que ao tender tinham gordura a mais, escorria-me pelas mãos e ficou alguma no fundo do tacho, para a próxima vou reduzir a quantidade. Mas depois de cozerem ficaram simplesmente maravilhosas! Nós adorámos! :)

 

 

Ingredientes p/ 20 broinhas

 

1 kg de farinha de trigo

250 g de farinha de milho

500 g de açúcar amarelo

2,5 dl de óleo

2,5 dl de azeite

2 colheres (sopa) de canela

2 colheres (sopa) de erva doce moída

50 g de chocolate em pó

0,5 l de café bem forte

 

 

Preparação

 

Misture todos os ingredientes menos as farinhas e leve ao lume a ferver. Quando levantar fervura misturam-se as farinhas mexendo bem até ficar tudo bem envolvido.

 

Tendem-se pequenas broas e vão ao forno a cozer em temperatura moderada (170ºC).

 

Depois de cozidas, passe-as por açúcar branco.

 

Bom apetite!

 

https://pt.petitchef.com/receitas/sobremesa/broas-fervidas-do-ribatejo-fid-1571751

 

28
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 7) - Broa de Batata doce

Miluem

32077485a2f0a804eb5c0d9b5c4510a2.jpg

Foto: https://i.pinimg.com

 

Broa de Batata doce

 

No dia de Todos os Santos, é tradição em Portugal celebrar-se esta data festiva com a confeção de doces próprios para a ocasião. Por norma, as famílias e/ou os reúnem se para partilharem os doces ou outros alimentos que tenham na mesa para servir – sendo comuns os dióspiros,  frutos secos, castanhas e batata-doce assada.

 

As merendeiras, bolos ou broas dos Santos, como também são conhecidas, estão quase sempre presentes à mesa dos portugueses nesta época. Há diversas receitas destes bolos, que tendem a diferir um pouco de região para região, podendo conter abóbora, batata-doce ou até batata de cozer. Independentemente da receita, a as merendeiras são muito simples de confecionar, embora possa levar algum tempo, sobretudo se tiver a necessidade de levar vários tabuleiros de bolos a cozer.

 

 

Ingredientes p/ cerca de 40 broas:

 

    1 colher (sobremesa) de canela

    1 colher (sobremesa) de fermento em pó

    1 kg de farinha de trigo

    1 ovo

    150 g de sultanas

    2 kg de batata-doce

    300 g de miolo de noz + outros frutos secos a gosto

    700 g de açúcar

    raspa de 1 limão

    sal q.b.

 

 

Confeção:

 

Coza as batatas, sem pele, em água com sal, reduzindo-as depois a puré.

 

Misture a farinha com o fermento e a canela e incorpore no puré de batata, juntamente com o açúcar, a raspa de limão e o ovo batido.

 

Amasse bem e, se necessário, junte mais farinha.

 

Incorpore todos os frutos secos – nozes, sultanas e/ou outros de que goste.

 

Ligue o forno a 160º C.

 

Forre um tabuleiro com papel vegetal e polvilhe com farinha.

 

Com as mão enfarinhadas, retire pedaços da massa e forme bolas (aproximadamente do tamanho de um ovo grande) e espalme-as um pouco.

 

Disponha as bolas de massa no tabuleiro e leve ao forno até as merendeiras ganharem uma cor tostada.

 

Repita a operação de cozedura as vezes necessárias até esgotar a massa.

 

 

http://www.docesregionais.com

 

27
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 6) - Broas de Limão

Miluem

Broas-de-Limão.jpg

 

Broas de Limão

 

 

Estes bolos, tão deliciosos e simples de fazer, são ótimos para acompanhar um chá e para dar um sabor diferente nesta altura do ano em que há inúmeras receitas de broas doces.

 

Ingredientes:

 

    125 g de manteiga à temperatura ambiente

    250 g de açúcar amarelo

    3 ovos

    500 g de farinha para bolos

    raspa de 2 limões

    sumo de 1 limão

 

 

Confeção:

 

Ligue o forno a 190º C.

 

Forre um tabuleiro com papel vegetal e reserve.

 

Misture a manteiga, o açúcar e 2 ovos, de forma a que os ingredientes fiquem bem ligados.

 

Acrescente a farinha, a raspa e o sumo de limão e amasse.

 

Tape e deixe a massa repousar durante 10 minutos.

 

Decorrido o tempo de repouso, trabalhe novamente a massa e, com as mãos untadas, forme pequenas broas.

 

Disponha as broas no tabuleiro à medida que as tende e pincele a superfície com o ovo batido.

 

Leve ao forno cerca de 15 minutos ou até ficarem douradas e firmes. Estando frias, reserve as broas num recipiente hermético, caso não sejam para consumir de imediato.

 

http://www.docesregionais.com

 

Nota: Não são broinhas tão tradicionais, mas para quem não aprecia especiarias e frutos secos, são uma excelente opcção.

 

27
Out19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 5) - Merendeiras dos Santos, de Leiria

Miluem

Merendeiras-dos-Santos-Leiria.jpg

 

Merendeiras dos Santos, de Leiria

 

As merendeiras são doces típicos dos Santos que expressam a sabedoria de uma tradição ainda bem enraizada em Portugal. O resultado são uns bolos deliciosos, doces, aromáticos, remetendo-nos para as recordações da nossa infância… Esta receita, típica da região de Leiria, é uma das muitas variantes regionais das merendeiras.

 

Apresentamo-la com os detalhes da receita tradicional, tal como as nossas avós faziam (incluindo o sinal da cruz, para que a levedura da massa corresse bem e esta ficasse boa para tender). Poderá seguir a tradição ou simplesmente ficar a conhecê-la, porque antigamente eram rituais que eram sempre cumpridos aquando da confeção destes doces ou até do pão caseiro.

 

Além de serem doces tradicionais do dia de todos os Santos, as merendeiras são doces muito versáteis, podendo ser comidos em qualquer altura do ano. Podem ser saboreadas simples ou com frutos secos, a acompanhar uma chávena de chá, de café ou somente como uma guloseima, a qualquer altura do dia.

 

Podem ser congeladas e mantidas no congelador durante meses. Tendem a endurecer ao fim de três dias, mas mesmo assim são deliciosamente boas, torradas e saboreadas simples ou barradas com um pouco de manteiga, doce ou marmelada.

 

 

Ingredientes:

 

    1 colher (sopa) de bicarbonato de soda

    1 colher (sopa) de canela

    1 kg farinha de trigo

    1 pitada de sal

    2 colheres (sopa) de erva-doce

    250 ml de azeite

    300 g de açúcar

    300 g de açúcar amarelo

    4 ovos + q.b. p/ pincelar os bolos

    50 g de fermento biológico

    frutos secos a gosto

    leite q.b. p/ diluir o fermento

    raspa de 2 limões

 

 

Confeção:

 

Dilua o fermento em leite morno e envolva em 250 g de farinha.

 

Deixe levedar 1 a 2 horas (dependendo da temperatura ambiente), em lugar reservado.

 

Num alguidar de barro, bata os ovos com o sal e o açúcar, juntando depois o azeite morno e a raspa dos limões.

 

Adicione à massa o fermento já levedado e bata bem.

 

À parte, misture a farinha restante com a soda e as especiarias. Junte gradualmente este preparado à massa, amassando sempre. Por fim, envolva os frutos secos.

 

Polvilhe a massa com farinha, faça o sinal da Cruz e tape com uns cobertores. Se estiver muito frio, coloque o alguidar num local ameno (junto da lareira, do aquecedor ou envolta em mantas).

 

Entretanto, enquanto os bolos levedam, acenda o forno a lenha. Caso tenha somente um forno a gás ou elétrico, ligue-o a 200º C antes de começar a tender os bolos.

 

Tenda os bolinhos e coloque-os no forno com uma pá enfarinhada ou (numa versão mais moderna) em tabuleiros também polvilhados.

 

Pincele as merendeiras com ovo batido e polvilhe com açúcar branco.

 

Leve ao forno a cozer cerca de 20 a 30 minutos (seja forno a lenha ou elétrico).

 

 

http://www.docesregionais.com

27
Out19

Ditos e Ditados Populares @ CXXIII

Miluem

IMG_20191016_215730.jpg

IMG_20191016_220050.jpg

IMG_20191016_221244.jpg

 

500 provérbios portugueses antigos - Educação moral, mentalidade e linguagem - de Jean Lauand

Estudo e recolha com base no Livro de provérbios de Antonio Delicado

Na Biblioteca Municipal Mário de Andrade (São Paulo-Brasil), encontra-se uma raridade: um exemplar original do livro do lecenciado prior Antonio Delicado, Adagios portuguezes reduzidos a lugares communs, Lisboa, Officina de Domingos Lopes Rosa, 1651.

 

27
Out19

Sopa á Italiana

Miluem

sopa-01.jpeg

 

 

Sopa á Italiana

 

Para se fazer sopa á Italiana cozaõ-se dous arrateis de carneiro e meio arrátel de toucinho em huma panella com canada e meia de agua, meio quartilho de vinho, hum golpe de vinagre, cheiros e cebolas;

 

Estas cebolas haõ de ser cravejadas com cravo, e canella inteira, e como estiver cozido tempera-se com todos os adubos, e punha-se a ferver: depois tira-se fóra o toucinho, e o carneiro do solte, que fique o caldo limpo, e naõ ficando mais que em tres quartilhos;

 

Deitem-lhe huma quarta de manteiga; e quantidade de pimenta, ponha-se a ferver, e como estiver fervido o caldo, deitem-lhe dentro dous bollos de açucar e manteiga em bocadinhos, e ferva até que engrosse, mexendo-se sempre deitem-lhe meia dúzia de gemas de ovos batidas, com quantidade de limaõ e canella;

 

Como estiver bem grosso, lancem-no em hum prato, ponhaõ-lhe o carneiro por cima, o qual estará sempre quente; armado com fatias de limaõ e com canella, mande-se á meza.

 

 

Receita recolhida do Livro:

Arte de Cozinhar - Dividida em Quatro Partes

Author: Domingos Rodrigues, Mestre da Cozinha de Sua Magestade

Impresso em Lisboa na Offic. da viúva de Lino da Silva Godinho em 1?21

Com Licença da Comissão de Censura

 

Pág. 1/5