Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes, gosto de os partilhar por imagens e ou palavras.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

31.10.19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 14) -Receita do Bolo Santoro

Miluem

Receita do Bolo Santoro

 

Bolo-Santoro-Pumpkin.jpg

Bolo Santoro — ©Pumpkin — Pão por Deus: uma tradição bem Portuguesa

 

 

Em algumas povoações da Zona Centro e Estremadura chama-se a este dia o Dia dos Bolinhos ou Dia do Bolinho.

 

Os bolinhos típicos são especialmente confeccionados para este dia, sendo feitos com base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.

 

São chamados Santorinhos.

 

É também costume em algumas regiões os padrinhos oferecerem um Santorinho aos seus afilhados.

 

Se quiser reavivar esta tradição e receita, dando-a a conhecer aos seus familiares e amigos, experimente fazer um Santorinho em casa, seguindo esta receita:

 


Ingredientes:

 

1kg de batata cozida
1kg de farinha
4 ovos
750 gramas de açúcar
150 gramas de manteiga
Canela
Fermento
Frutos secos
Erva-doce

 


Preparação:

 

É só misturar, fazer pequenas bolinhas, colocar no forno e quando estiver cozido e ligeiramente tostado, está pronto.

 

https://ncultura.pt

31.10.19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 13) - Broa Castelar

Miluem

Resultado de imagem para broa castelar

Foto: https://cloudberries.blogs.sapo.pt

 

 

Broa Castelar

 

A Broa Castelar é um doce típico do dia de Todos-os Santos e Natal em Portugal.

 

São feitas à base de batata doce, no entanto, as receitas tem variações de zona para zona.

 

Aqui fica um exemplo:

 


Ingredientes:

 

2 gemas de ovo para pincelar
Farinha para polvilhar, q.b.
3 colher (sopa) pão ralado
200g farinha de milho
200g farinha de trigo
100g côco ralado
3 ovos
1 laranja em raspa
Sal, q.b.
850g açúcar
750g batatas-doces
(Oléo para untar, q.b.)

 

Confeção:

 

Descascar e cozer a batata doce em água temperada com um pouco de sal;


Depois de cozidas as batatas escorrê-las bem;


Pese o puré obtido. Deverá ter meio quilo. Misturar ao puré meio quilo de açúcar;


Levar esta mistura a lume brando, tendo o cuidado de estar sempre a mexer com uma colher de pau, para que não se pegue ao fundo do tacho;


Retirar o puré obtido do lume e deixar arrefecer. É preferível que descanse de um dia para o outro;


Quando arrefecida, juntar ao puré de batata doce e açúcar a raspa da laranja, os ovos, o côco ralado, o restante açúcar e o pão ralado.

 

Mexer bem esta nova mistura e levá-la ao lume até levantar fervura, mexendo sempre para não pegar ao fundo do tacho;


Juntar as farinhas e ligar tudo muito bem;


Deitar este preparado sobre a pedra da mesa polvilhada com farinha e deixar arrefecer;


Quando um pouco arrefecida, moldar as broas com as mãos;


Quando moldadas, colocar as broas num tabuleiro untado com óleo e pincelá-las com gema de ovo;


Levar o tabuleiro ao forno pré aquecido a 180º C, durante 20 minutos.

 


https://www.portugal-aptece.com

 

31.10.19

Alguns versos para quem não tem prática a pedir o "Pão por Deus"

Miluem

 

Alguns versos para quem não tem prática a pedir o "Pão por Deus"

 

 

São vários os versos para pedir o Pão por Deus:

 

Ó tia, dá Pão-por-Deus?

Se o não tem Dê-lho Deus!.

 

Ou então:

 

Pão por Deus,

Fiel de Deus,

Bolinho no saco,

Andai com Deus.

 

 

 

Versos dos Açores

 

Dae pão-por-deus

Que vos deu deus

P'ra repartir

C'os fieis de deus

Pelos defuntos

De vo'meces...

 

Quando o peditório é infructuoso:

 

Tranca me dáes

fujo p'rá rua

E seja tudo

P'l'amor de deus

 

Fonte: Revista dos Açores, Volume 1 Sociedade Auxiladora das Lettras Açorianas

 

 

 

    Bolinhos e bolinhós

    Para mim e para vós,

    Para dar aos finados

    Que estão mortos e enterrados

    À bela, bela cruz

    Truz, Truz!

    A senhora que está lá dentro

    Sentada num banquinho

    Faz favor de s'alevantar

    Para vir dar um tostãozinho.

 

Se dão doces:

 

    Esta casa cheira a broa,

    Aqui mora gente boa.

    Esta casa cheira a vinho,

    Aqui mora um santinho.

 

Se não dão doces:

 

    Esta casa cheira a alho

    Aqui mora um espantalho.

    Esta casa cheira a unto

    Aqui mora algum defunto

 

Fonte: A canção ródia da andorinha

 

 

 

    Pão, pão por deus à mangarola,

    encham-me o saco,

    e vou-me embora.

 

Se não ficarem satisfeitos dizem:

 

    O gorgulho gorgulhote,

    lhe dê no pote,

    e lhe não deixe,

    farelo nem farelote

 

Fonte: Teófilo Brága. O povo portuguez nos seus costumes, crenças e tradições, Volume 2. As festas do calendário popular

 

 

 

“Pão por Deus,
Fiel de Deus,
Bolinho no saco,
Andai com Deus.”

 

”Bolinhos e Bolinhós
Para mim e para vós
Para dar aos finados
Qu’estão mortos, enterrados
À porta daquela cruz"

 

 

 

Agrupamento de Escolas Monte da Lua

 

Aqui fica um verso:

“Em vez de dizer adeus
bato à porta, que é a tua
Venho pedir pão-por-Deus,
o teu amor e a Lua”.


Agora quero rebuçados!

http://azulnuvem.blogspot.com

 

 

 

Na região da Sertã, a cantilena é diferente:

 

Bolos, bolos,

Em honra dos Santos todos

Bolinhos, bolinhos,

Em honra dos Santinhos.

 

http://garfadasonline.blogspot.com

 

 

 

Outras expressões de Património Imaterial relacionadas com a Festa:


Durante o peditório do Pão por Deus, as crianças também cantavam ou recitavam a seguinte ladainha:

 


Dar pão, por Deus
Que vos deu Deus,
P’ra repartir
Com os fiéis de Deus,
P’los defuntos de vossemecê.

 

http://www.cm-lourinha.pt

 

 

 

Estas são algumas quadras que prevalecem, até aos dias de hoje:

 

Vem aí o Pão-por-Deus

Dia de muita alegria

Vou pedir à minha mãe

Um saquinho pra esse dia.

 

Um saquinho bem bonito

Onde eu possa deitar

Castanhas, figos e nozes

Pra depois saborear.

 

Hei-de lembrar-me também

De quem agora é velhinho

Senão lhe der figos e nozes

Dar-lhe-ei o meu carinho.


http://casadopovocalheta.com

 

 

30.10.19

Nemátodo do Pinheiro, abate de pinheiros - perto de Leiria

Miluem

IMG_20191025_175703.jpg

(Poste editado, o nome do bicho estava mal)

 

Esta era uma zona de pinhal perto de áreas residenciais, comerciais, centro de saúde, escolas e zona desportiva.

IMG_20191028_194109.jpg

 

Foi detectado o Nemátodo em alguns pinheiros bravos.

 

IMG_20191025_180648_1.jpg

 

É uma zona de pinhal público, foi aberto concurso para o corte de cerca de 1.000 pinheiros.

 

IMG_20191028_194140.jpg

 

Quando o corte começou foram aparecendo novos pinheiros infectados.

 

IMG_20191025_180658_1.jpg

 

Foram cortados na zona que mostro e à direita dela, mais de 3.000 pinheiros, todos por causa do Nemátodo.

 

IMG_20191028_194950.jpg

IMG_20191028_195136.jpg

 

Fonte: Fonte: http://www.forestis.pt/

30.10.19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 12) - Broas das Donas (Santarém)

Miluem

Imagem: Pintrest

 

Broas das Donas (Santarém)

 

Estas broas foram criadas pelas freiras do Convento de S. Domingos das Donas, em Santarém, genericamente conhecido por Convento das Donas. Este convento, extinto no séc. XIX, era um dos mais antigos da cidade, sendo habitado pelas freiras da ordem dominicana. As hábeis mãos destas religiosas deixaram marcas no receituário regional de Santarém, sobretudo no que se refere à doçaria.

 

Dentre os doces conventuais criados por estas religiosas, destacam-se estas deliciosas broas, também conhecidas somente por broas de Santarém, que ficam um pouco duras e se conservam durante vários dias.

 


Ingredientes:

 

1 colher (sopa) de canela
1 colher (sopa) de erva-doce
1 kg de farinha de trigo
1 pitada de cravinho
125 g de miolo de amêndoa
150 ml de água
250 g de açúcar amarelo
400 ml de azeite fino
açúcar p/ polvilhar

 

 

Confeção:

 

Escalde as amêndoas e pele-as ainda quentes. Passe-as até ficar com um miolo fino e reserve.


Leve ao lume o azeite com a água, o açúcar e as especiarias.


Retire quando ferver e deite sobre a farinha, num recipiente largo.


Junte a amêndoa e bata até os ingredientes estarem bem ligados.


Deixe a massa arrefecer e molde pequenas broas redondas.


Disponha as num tabuleiro polvilhado com farinha e leve ao forno, pré-aquecido, até as broas cozerem e alourarem.


Ponha-as num prato de servir e polvilhe com açúcar.

 

 

https://www.portugal-aptece.com

 

30.10.19

««Tradições »» Merendeiras ou Broinhas dos Santos (receita 11) - Broas de Alpiarça

Miluem

Imagem: Pintrest

 

Broas de Alpiarça

 

A vila de Alpiarça, no distrito de Santarém, tem um património vasto de doces regionais, no qual se incluem estas maravilhosas broas. Também existem nesta mesma localidade as broas fritas, que diferem desta, não só pelos ingredientes, mas também pela forma como são cozinhadas.

 


Ingredientes:

 

1 colher (café) de canela
1 colher (café) de erva-doce moída
1 pitada de sal
100 ml de água
120 g de açúcar amarelo
250 g de farinha
50 g de miolo de amêndoa
50 ml de mel
cravinho moído q.b.
gema p/ pincelar

 

 

Confeção:

 

Misture o mel, o açúcar, a canela, a erva-doce, a água, o sal e o cravinho num recipiente, envolvendo bem todos os ingredientes.


Leve o preparado ao lume, entre 4 a 6 minutos, sem parar de mexer.


Retire do lume e junte toda a farinha. Mexa bem e leve novamente ao lume até cozer.


Deixe a massa arrefecer e, entretanto, pele e rale as amêndoas, deixando algumas para a decoração.


Quando a massa estiver quase fria, molde as broas da forma que desejar. Por cima de cada uma, coloque uma amêndoa inteira e pincele com gema.


Disponha as broas num tabuleiro untado com azeite e leve-as a cozer no forno, a 180º C, durante 20 minutos.

 

https://www.portugal-aptece.com

 

Pág. 1/13