Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem Vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes, gosto de os partilhar por imagens e ou palavras.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

03.09.19

Horta @ Lendas de Portugal - Pudim ...

Miluem

feijao-branco.jpg

Foto: www.piauihoje.com

 

 


Pudim de Feijão dos Frades do Convento da Horta

 

 

Em tempos muito remotos, havia uma família rica e distinta que tinha um filho, muito senhor de si, determinado e apaixonado.

 

Não se queria subjugar à vontade do pai, nas suas relações amorosas, como era hábito no tempo.

 

Quando chegou a altura, rejeitou casar-se com a noiva que a família lhe tinha escolhido, entre as raparigas da sua estirpe social e que havia de trazer consigo um dote gordo para engrandecer os bens da família.

 

O pai não se conformou e, já que o filho não queria casar com a noiva que lhe tinha escolhido, não casaria com mais ninguém.

 

Obrigou-o a encerrar-se num convento e a fazer-se frade.

 

Passado algum tempo o dito rapaz, filho daquela família rica, veio ter a um convento da Horta.

 

Como estava habituado à comida da sua casa, da sua cozinheira, sentia, por vezes, muita falta das iguarias que tinha comido em criança.

 

Lembrava, frequentemente, os doces que a sua cozinheira fazia de propósito para o seu menino e, nesses momentos, não conseguia evitar um suspiro de saudade.

 

Uma certa vez o jovem frade recebeu uma encomenda dos pais. Trazia amêndoas, cidrão, outras frutas cristalizadas ou passadas e mais comidas menos perecíveis.

 

Não resistiu à tentação, foi para a cozinha e tentou lembrar-se de como as suas criadas faziam os doces.

 

Juntou açúcar, massa de feijão branco, ovos, cidrão, amêndoa e fez um grande pudim que cozeu no forno de lenha do convento.

 

Quando ficou pronto, o jovem religioso e demais confrades deliciaram-se com o pudim inventado.

 

A partir de então passaram a fazê-lo, no convento, com alguma regularidade, nos dias de festa.

 

Mais tarde a receita atravessou as paredes do convento e a população da Horta começou a confeccionar o saboroso pudim.

 

Ainda hoje é um doce muito característico do Faial e ainda se dá pelo nome de Pudim de Feijão dos Frades do Convento da Horta.

 

Fonte Biblio: FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.259
Place of collection:  HORTA, ILHA DO FAIAL (AÇORES)
Narrativa
When: XX Century, 90s
Crença: Unsure / Uncommitted