Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As coisas de que eu gosto! e as outras...

Bem-vind' ao meu espaço! Sou uma colectora de momentos e saberes.

As coisas de que eu gosto! e as outras...

31.07.19

Ditos e Ditados Populares @ LXXXI

Miluem

P_20190629_153403_SRES.jpg

IMG_20190730_200724.jpg

IMG_20190730_200216.png

IMG_20190730_200908.jpg

 

 

 

500 provérbios portugueses antigos - Educação moral, mentalidade e linguagem - de Jean Lauand

 

Estudo e recolha com base no Livro de provérbios de Antonio Delicado

 

Na Biblioteca Municipal Mário de Andrade (São Paulo-Brasil), encontra-se uma raridade: um exemplar original do livro do lecenciado prior Antonio Delicado, Adagios portuguezes reduzidos a lugares communs, Lisboa, Officina de Domingos Lopes Rosa, 1651.

 

 

31.07.19

A mesma Ladaínha Tradicional de 3 zonas do País.

Trovoadas

Miluem

Como curiosa que sou, lembrei-me de ver as diferenças que há nas ladaínhas/rezas nas várias zonas do país, escolhi as trovoadas.

 

 

Oração para espalhar as trovoadas

Trás-os-Montes

Santa Bárbara e S. Jerónimo

No cajadinho pegaram,

Jesus Cristo encontraram

Ele lhes disse:

- Ide espalhar a trovoada,

Lá pròs lados do Marão,

Onde não há palha nem grão,

Nem meninos a chorar,

Nem galinhas a cantar,

Nem sinos a tocar,

Nem homens a trabalhar.

 

 

 

Reza para as trovoadas

(Universidade Sénior da Figueira da Foz)

As velhas de Buarcos em ocasiões de trovoadas queimavam alecrim e rosmaninho de um ramo benzido na procissão da Via Sacra da última quaresma e rezavam esta oração:

 

São Jerónimo se levantou

Seus pezinhos e suas mãos lavou

Seu caminhinho andou

E Santa Bárbara o encontrou

Santa Bárbara lhe perguntou:

Onde vais tu Jerónimo?

Vou espalhar estas trovoadas

Então vai e espalha-as bem espalhadas

para onde não haja mulher com menino,

nem vaca com bezerrinho,

nem erva nem beira

nem raminho de figueira

nem pedra de sal

nem onde ela faça mal.

 

 

 

 

Oração da Trovoada

Alentejo

Magnifica a minha alma

Engrandeço ao Senhor

Meu espírito se alegrou

Em Jesus meu Salvador.

Que nos valha a Divindade,

Valha-nos a Cruz de Cristo

E a Santíssima Trindade.

Santa Bárbara Bendita

Se vestiu e se calçou,

Ao caminho se deitou

Jesus Cristo encontrou

E Ele lhe perguntou:

-Onde vais Bárbara?

-Vou amarrar aquela trovoada,

Que no Céu anda armada.

-Amarra, amarra,

Para onde não haja eira nem beira

Nem raminho de oliveira

Nem bolinho de alma cristã.

Santa Bárbara bendita

Que no Céu está escrita

Tendes a Torre na mão

Pedi a Nosso Senhor

Que nos abrande o trovão.

 

Fontes: Uma busca aberta pela internet através do Google.

 

Santa Bárbara se levantou,

se vestiu e se calçou.

No seu cajado pegou,

e Jesus lhe perguntou

- Onde vais, ó Santa Bárbara?

- Vou juntar a trovoada

que anda no mundo espalhada

para bem longe daqui.

Vou levá-la para um monte

onde não haja gadelha de lã nem alminha cristã, nem mulher com menino, nem vaca com bezerrinho, nem homem sem acidente.

Bendito seja Deus para sempre

 

E em dias de trovoada, reza-se esta oração:

 

«Santa Bárbara bendita,

que no céu está escrita,

com papel e água benta,

livrai-nos desta tormenta.»

 

Maria Teresa Frazão

https://www.ufmoucoslamares.pt/pontos-de-interesse/santa-barbara/